Luís Marques Mendes

Marques Mendes confirma “mini-remodelação” no Governo

No habitual espaço de comentário na SIC, Marques Mendes afirmou que, com a saída da Pedro Marques do Governo, Pedro Nuno Santos e Nelson de Souza vão ser promovidos a ministros.

Marques Mendes é um advogado e antigo dirigente do partido social-democrata. Atualmente, é conselheiro de estado

CARLOS BARROSO/LUSA

Luís Marques Mendes, antigo líder do PSD e advogado, afirmou no espaço habitual de comentário na SIC que vai haver uma “mini-remodelação” no governo socialista. “Pedro Nuno Santos, passa de secretário de estado a ministro das infraestruturas”, afirmou o comentador, uma notícia confirmada pelo Observador depois de avançada primeiramente pelo Expresso. Já Nelson de Souza, atual secretário de estado de Desenvolvimento e Coesão, vai ficar a cargo de um novo ministério, o do planeamento.

“Pedro Marques [como cabeça de lista às europeias] é o segredo mais mal guardado, vai ser anunciado no sábado, na convenção do PS”, continua a garantir Marques Mendes. O novo dado apresentado esta semana é a possibilidade Maria Manuel Leitão Marques, atual ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, estar a ser pensada para estas listas. Contudo, “ainda não é certo”, mas é o nome a ser pensado tendo em conta que Francisco Assis não vai figurar nas listas dos socialistas às europeias.

Com a saída de Pedro Nuno Santos da secretaria de Estado dos Assuntos Parlamentares, Marques Mendes afirma que Mariana Vieira da Silva vai passar a ocupar este cargo, deixando de ser secretária de Estado Adjunta de António Costa.

Estes nomes devem ser confirmados a 17 de fevereiro, logo após o fim da convenção do partido socialista.

O jurista aproveitou o espaço de comentário para criticar a greve dos enfermeiros. Segundo Marques Mendes, apesar de a causa destes profissionais da saúde ter sido vista como “necessária” e “justa”, atualmente estão a “abusar” da greve: “acho que ultrapassaram os limites do razoável”, disse.

Referindo-se ao crowdfunding para financiar esta manifestação, criticou a forma e a não transparência da mesma quanto aos doadores: “os enfermeiros deviam ser os primeiros interessados em deixar tudo clarinho”. Já a requisição civil, este foi uma decisão do Governo: “É uma decisão juridicamente arriscada mas politicamente correta e necessária”.

O atual conselheiro de Estado falou também do primeiro congresso do Aliança, o partido criado por Pedro Santa Lopes depois de ter perdido as eleições internas no PSD contra Rui Rio. “Temos de salientar duas figuras políticas [neste congresso]: Paulo Sande e Santana Lopes”, afirmou. “Se Pedro Sande for eleito não tenho dúvidas que vai ser um ótimo deputado no Parlamento Europeu”, continuou

Pedro Santana Lopes quer afirmar-se como líder da oposição ao Governo. Diz: ‘Não sou Rui Rio nem Assunção Cristas'”, afirmou Marques Mendes, deixando o recado: “o PSD tem de cuidar-se”.

Esta semana, o advogado falou também da visita do Presidente da República ao Bairro da Jamaica, elogiando a mesma, opôs-se à forma como a questão da violência doméstica continua a ser relegada para segundo plano na política e sociedade, afirmando que deve haver penas mais pesadas. O social democrata mencionou também a entrevista de António Costa à SIC, afirmando que o primeiro-ministro está a perder força política que não vai conseguir chegar à maioria absoluta nas legislativas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)