Benfica

“Concurso de tiro”, chamou-lhe o Diário de Lisboa. As histórias do 10-0 do Benfica ao Seixal em 1964

114

Eusébio a fazer três golos em sete minutos, um guarda-redes chamado Trancas a sofrer dez golos e um presidente que prometeu pagar por cada tento. Conheça as histórias do 10-0 do Benfica, o de 1964.

Getty Images

Fevereiro de 1964. Dia 2. O SL Benfica recebe em casa o Seixal FC — hoje nas distritais da Associação de Futebol de Setúbal — em jogo a contar para a 16ª jornada do Campeonato Nacional da I Divisão. Os encarnados estão em primeiro lugar, com quatro pontos de vantagem sobre o segundo classificado, o FC Porto. Já o Seixal está em antepenúltimo, um lugar acima dos lugares de despromoção. Ora falemos de golos: o Benfica, com 15 jogos, tinha marcado mais do que qualquer equipa, 50 golos — uma média de 3,3 tentos por jogo — enquanto que o Seixal tinha sofrido 32 em iguais 15 jogos — média de 2,1 golos sofridos por partida. Seria suficiente para a “castástrofe”?

Numa equipa que tinha sido campeã europeia há dois anos e onde figuravam nomes como António Simões, Torres, Coluna, José Augusto ou… Eusébio, tudo era possível. O “Pantera Negra” foi, de resto, a figura da partida — para variar: seis golos, três deles marcados em apenas sete minutos. Os restantes foram marcados, aos pares, por José Torres e Yaúca.

Talvez haja uma explicação para o fenómeno daquela tarde de há 55 anos, dada há já algum tempo por José Augusto, em entrevista: “Antes do jogo com o Seixal, o presidente [à época Adolfo Vieira de Brito] disse-nos: ‘Pago por cada golo que marcarem’. Com este espírito, fomos para o ataque e fizemos 10. Resultado: recebemos 20 mil escudos. Ele passou-nos o cheque assim que o jogo acabou. Era um homem de palavra”. Os 20 mil escudos de 1964 corresponderiam atualmente, com a evolução da moeda, a cerca de 7.100 euros.

Terá sido o motivo? Provavelmente não, visto que os encarnados acabaram a época com 103 golos marcados em 26 jogos, uma média de 4 golos por jogo. E com muitas outras goleadas: duas vitórias com 6 golos, uma com 7, cinco com 8, e mais uma com 9.

Mas nada é como uma vitória de 10-0. No dia seguinte, na sua crónica de jogo, o Diário de Lisboa anunciava, pelas palavras do jornalista Fernando Soromenho, que tinha havido um “Concurso de tiro no Estádio da Luz”, com 10 tiros certos no alvo. “Naturalmente, como se bebesse um copo de água por desfastio, o Benfica […] conseguiu o resultado ‘record’ do campeonato”, comparava a peça, que contava ainda como o árbitro Saldanha Ribeiro fez um jogo tranquilo e como Eusébio marcou os seis golos, havendo até tempo para fazer humor com o nome do guarda-redes do Seixal. Trancas era o nome, que não fez juz à sua exibição.

O destaque da goleada do Benfica na edição de dia 3 de fevereiro de 1964 do Diário de Lisboa (Fundação Mário Soares)

Outro pormenor interessante mereceu destaque para o jornal. “Seixal aceitou a derrota com modelar desportivismo”, sublinhava um título, que era desenvolvido com o facto de ser com justiça que se devia apontar “o desportivismo dos seixalenses, que encararam a realidade segundo a filosofia da vida mais conveniente, isto é, com substancial dose de paciência” e “sem manifestarem o mínimo azedume”. Poesia.

No final da época, os 10-0, ainda que na história, não foram tão importantes quanto isso. Agora, 55 anos depois, António Simões, titular na partida, nem se recordava do jogo: “Sinceramente já nem me lembrava. Vi hoje que sim, mas já nem me lembrava que tínhamos ganho um por 10-0. Se pensar bem, aquela equipa bateu todos os recordes, é difícil memorizar todos”. A influência do jogo, na verdade, acabou por ser pouca. Nesse ano, o SL Benfica sagrou-se bicampeão, com seis pontos de vantagem sobre o segundo classificado, FC Porto, e com mais do dobro dos seus golos. Já o Seixal FC conseguiu a permanência na I Divisão por apenas 2 pontos e foi a segunda equipa com mais golos sofridos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)