Professores

PCP acompanha “injustiça” sentida por professores face à resistência do Governo

113

Segundo Jerónimo de Sousa, "houve uma proposta mínima", mas é necessária "uma negociação franca e aberta, que não está a acontecer". E por isso os professores reagem "em defesa dos seus direitos".

O secretário-geral da FENPROF declara que "o que o Governo está a tentar eliminar ilegalmente é tempo que as pessoas trabalharam, tempo que pertence aos professores"

JOÃO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O líder comunista, Jerónimo de Sousa, acompanhou esta segunda-feira o “sentimento de profunda injustiça” transmitido pelos professores face à resistência do Governo em negociar a reposição do tempo de serviço e respetiva progressão nas carreiras.

Verificamos que o Governo tem resistido a essas negociações, o que leva a um sentimento de profunda injustiça do movimento sindical docente. Nós acompanhamos esta preocupação e posicionamento, na medida em que é sabido que, no quadro do Orçamento [do Estado para 2019], apresentámos uma proposta que teria resolvido o problema”, disse o secretário-geral do PCP, na sede nacional do partido, em Lisboa, após um encontro com a plataforma que reúne dez organizações sindicais dos professores.

Segundo Jerónimo de Sousa, “houve uma proposta mínima, mas que exigia claramente, além da reposição do tempo de serviço, simultaneamente, um diálogo e uma negociação franca e aberta, que não está a acontecer, o que leva à necessidade que estes professores têm de reagir e agir em defesa dos seus direitos legítimos”. “Não estão aqui a inventar uma proposta nova, um aumento novo”, reforçou o líder do PCP.

O secretário-geral da FENPROF, Mário Nogueira, condenou a “intransigência do Governo e de António Costa, o primeiro-ministro, para resolver uma coisa que não pode adiar nem deixar de resolver – a recuperação do tempo de serviço, que os professores cumpriram na totalidade e que este Governo lhes quer roubar”.

O ano de “2018 acabou, o Governo até ao final não abriu mão de eliminar seis anos e meio de serviço que as pessoas trabalharam. O que o Governo está a tentar eliminar ilegalmente é tempo que as pessoas trabalharam, tempo que pertence aos professores, de tal ordem que o Presidente da República vetou um decreto lei que o Governo aprovou impondo essa eliminação”, continuou, prometendo novo protesto para 21 de fevereiro, junto ao Conselho de Ministros e ao parlamento, em Lisboa, além de uma grande manifestação para março.

Mário Nogueira acrescentou que, a manter-se o atual estado de coisas, o terceiro período letivo de 2019 pode vir a ser bastante “atribulado” pela luta dos docentes, embora excluindo greves “financiadas de fora”, como acontece com o denominado “crowdfundind” (angariação de verbas) da atual paralisação “cirúrgica” dos enfermeiros.

“O Orçamento [do Estado de 2019] voltou a introduzir a norma da recuperação integral, embora com negociação do modo e do prazo e o Governo, até agora, recusou iniciar a negociação e o primeiro-ministro, há muito pouco tempo, disse até que não estava para se entreter com os sindicatos de professores e, portanto, não iria haver negociação nenhuma”, lamentou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Despedir os professores todos

João Pires da Cruz
910

A minha proposta é despedir os professores todos e entregá-los a Bruxelas. A escolha dos professores e a sua gestão deve ser feita pelas escolas; o pagamento dos seus salários deve vir de Bruxelas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)