Banco de Portugal

Assunção Cristas admite revisão constitucional para alterar nomeação do governador do Banco de Portugal

Cristas afirma que o partido defende que o governador "deve ser nomeado de uma forma muitíssimo diferente" e admite avançar "ainda nesta legislatura" com uma revisão constitucional nesse sentido.

ssunção Cristas foi questionada sobre o projeto de resolução apresentado pelo BE, que pede ao Governo a exoneração de Carlos Costa do Banco de Portugal

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A presidente do CDS-PP admitiu esta terça-feira avançar com uma proposta de revisão constitucional para que o governador do Banco de Portugal seja nomeado pelo Presidente da República, mediante proposta do Governo, e depois de ouvido no parlamento.

À margem de uma reunião no Comando Metropolitano de Lisboa da PSP, Assunção Cristas foi questionada sobre o projeto de resolução apresentado na segunda-feira pelo BE, que pede ao Governo a exoneração de Carlos Costa na sequência do seu envolvimento na concessão de créditos quando fazia parte da administração da Caixa Geral de Depósitos.

Sobre a questão do governador do Banco de Portugal, o CDS há muito tempo que defende que o governador deve ser nomeado de uma forma muitíssimo diferente”, referiu a centrista, acrescentando que “há a questão de saber se é preciso uma revisão constitucional ou não, para podermos ter o Presidente da República a nomear o governador do Banco de Portugal mediante proposta do Governo, e depois de ouvido no parlamento”.

Assim, assinalou, o CDS-PP admite avançar, “muito provavelmente ainda nesta legislatura, com essa proposta”.

Relativamente à idoneidade do governador para continuar nas funções que desempenha, Assunção Cristas considerou que “parece bastante evidente que há uma situação de fragilidade”.

Mas, para a líder do CDS-PP, “também parece evidente que, estando uma comissão parlamentar de inquérito para começar o seu trabalho, e havendo a proposta de ser a primeira pessoa a ser ouvida, é natural que se queira ouvir primeiro antes de retirar conclusões”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)