Venezuela

Bulgária bloqueia “milhões de euros” de transferências da petrolífera venezuelana PDVSA

Sófia anulou uma conta num banco através da qual o dinheiro foi transferido da empresa de petróleo estatal da Venezuela para outros países. Caracas estaria a tentar furar as sanções dos EUA.

De acordo com o procurador-geral, a conta suspeita, que inclui contas derivadas, foi aberta por um advogado binacional búlgaro

MIGUEL GUTIERREZ/EPA

Bulgária bloqueou, a pedido dos Estados Unidos, vários “milhões de euros” de transferências feitas pela companhia petrolífera venezuelana através deste país em violação das sanções dos EUA, anunciou esta quarta-feira a Procuradoria-geral búlgara.

Segundo o procurador-geral, Sotir Tsatsarov, Sófia anulou uma conta aberta num banco da Bulgária através da qual o dinheiro foi transferido da PDVSA — empresa de petróleo estatal da Venezuela — para outros países.

Em conferência de imprensa, em Sófia, Dimitar Gueorguiev, diretor da Agência Nacional de Segurança búlgara, indicou tratar-se de “milhões de euros”.

A Bulgária, que foi alertada por Washington, “verificou todo o seu sistema bancário para averiguar se outras transferências venezuelanas foram recebidas e se algum dinheiro foi transferido para o exterior”, indicou Dimitar Gueorguiev.

Por seu turno, o embaixador dos EUA na Bulgária, Eric Rubin, salientou que o “objetivo é garantir que a riqueza do povo venezuelano não seja roubada” em favor do regime.

De acordo com o procurador-geral, a conta suspeita, que inclui contas derivadas, foi aberta por um advogado. “As transferências a partir desta conta não têm nada a ver com as suas atividades de advogado”, referiu a mesma fonte. Este, suscetível de ser processado por “lavagem de dinheiro”, não se encontra atualmente na Bulgária, acrescentou o procurador-geral.

Carlos Paparoni, presidente da Comissão de Finanças da Assembleia Nacional da Venezuela, escreveu, na sua conta da rede social Twitter, que a PDVSA tentou desviar fundos públicos através da Bulgária.

Tanto os EUA como a Bulgária reconheceram o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, como presidente interino da Venezuela para que convoque eleições livres e justas. Os Estados Unidos adotaram sanções contra a PDVSA, cujo objetivo é cortar o financiamento ao regime da Venezuela, país que retira da indústria petrolífera quase 96% dos rendimentos.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando Juan Guaidó se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro. Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceu Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

A repressão dos protestos antigovernamentais desde 23 de janeiro provocou já 40 mortos, de acordo com várias organizações não-governamentais.

À crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados das Nações Unidas.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Paris

A morte das catedrais

António Pedro Barreiro

A separação forçada entre a beleza e a Fé é lesiva para ambas as partes. O incêndio em Notre-Dame recorda-nos isso. Recorda-nos que as catedrais não são montes de pedras.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)