Rádio Observador

Estados Unidos da América

Rapaz filmado em incidente com índio americano pede indemnização de 250 milhões ao Washington Post

957

O Washington Post foi processado pelo jovem filmado num incidente com um índio em janeiro. Os advogados pedem uma indemnização igual ao valor pelo qual Jeff Bezos comprou o jornal norte-americano.

D.R.

O jovem filmado num incidente com um ancião índio da tribo Omaha processou o The Washington Post pela cobertura que o jornal fez desse episódio, noticia o Politico. Nicholas Sandmann, estudante de 16 anos numa escola no estado de Kentucky, foi filmado com um boné com a mensagem “Make America Great Again” num incidente que também envolveu um nativo norte-americano que cantava e tocava um tambor indígena à margem da Marcha dos Povos Indígenas perto do Lincoln Memorial. O vídeo foi noticiado pelo The Washington Post em janeiro. Agora, o jovem pede 250 milhões de dólares (quase 221 milhões de euros) por “danos”.

Macartismo, do inglês “McCarthyism” é a prática de acusar alguém de traição e vem dos tempos em que o senador republicano Joseph McCarthy promoveu uma patrulha anticomunista contra a espionagem por agentes da União Soviética nos anos 50.

A notícia foi avançada numa publicação feita no site dos advogados de Nicholas Sandmann. Segundo eles, “num intervalo de três dias, em janeiro deste ano, e a começar a 19 de janeiro, o Washington Post entrou numa forma moderna de macartismo ao competir com a CNN e a NBC, entre outros, para reivindicar a liderança de uma mobilização generalizada nas redes sociais de bullies que atacaram, vilipendiaram e ameaçaram Nicholas Sandmann, um menor inocente de uma escola secundária”.

Depois das imagens inciais, surgiram outros vídeos que lançaram dúvidas sobre as primeiras notícias, segundo os quais o rapaz estaria a confrontar o índio.Percebeu-se então que havia um terceiro grupo, formado por quatro ou cinco elementos do grupo Israelitas Hebreus Negros — e esse grupo está na origem do momento de tensão na capital norte-americana, como o Observador explicou na altura.

Os advogados de Nicholas Sandmann acusam o Washington Post de ter atacado e maltratado Nicholas Sandmann “porque ele era o estudante branco e católico”, quando afinal terá sido “confrontado inesperadamente por Nathan Phillips, um conhecido ativista nativo norte-americano, que batia num tambor e cantava alto a centímetros do seu rosto”. “O The Post ignorou as normas básicas do jornalismo porque queria avançar com a sua agenda tendenciosa, bem conhecida e facilmente documentada contra o presidente Donald J. Trump ao impugnar indivíduos considerados apoiantes do presidente”, acusam eles.

A defesa de Nicholas Sandmann fixou o valor da indemnização em 250 milhões de dólares por este ser o mesmo valor que Jeff Bezos, presidente da Amazon e considerado o homem mais rico do mundo, pagou ao The Post quando a Nash Holdings comprou o jornal em 2013. A indemnização, segundo eles, serve para “compensar inteiramente o Nicholas pelos danos” e “para castigar, deter e ensinar uma lição ao The Post que o jornal nunca mais vai esquecer”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)