Uma adolescente inglesa desmaiou em casa e foi levada para o hospital, em Oldham, depois de uma noite de convulsões. Já internada entrou num coma que durou quatro dias. Foi aí que os médicos descobriram que Ebony Stevenson, de 18 anos, estava grávida. Três horas depois, segundo a BBC, deu à luz a filha, Elodie.

Os médicos garantem que a bebé não nasceu prematura, apresentando um peso normal. Mas a gravidez foi pouco habitual, tendo a criança crescido num útero dividido em dois, o que pode explicar a falta de sinais visíveis. A mãe sofre de útero bicorno, uma condição tão rara que apenas afeta uma em 500 milhões de pessoas.

Nem Ebony nem a mãe, Sheree, notaram a gravidez. Sheree Stevenson explica que a filha “nunca falhou um período, nunca se sentiu maldisposta e nunca teve barriga visível”. A mãe não acreditou quando os médicos a informaram inicialmente da gravidez e deram início a uma cesariana.

Também Ebony reagiu com incredulidade quando, ao acordar do coma, os médicos lhe entregaram a filha: “Agora parece horrível, mas pedi para a levarem, porque estava muito confusa e tinha a certeza de que tinham cometido algum erro”. Depois de os médicos explicarem o que acontecera durante o coma da jovem, Ebony aceitou a filha, que diz “ser um milagre” que “não trocaria por nada deste mundo”.

Apesar do insólito e de todas as suas implicações, segundo a BBC, Ebony planeia regressar ao estudos na Universidade de Hopwood em fevereiro.