Rádio Observador

Cinema

“Os Irmãos Sisters”: violência, ouro e família no velho Oeste

140

Este "western" do francês Jacques Audiard, com Joaquin Phoenix e John C. Reilly, foi rodado em Espanha e na Roménia, que passam perfeitamente pelos EUA. Eurico de Barros dá-lhe três estrelas.

Autor
  • Eurico de Barros

O “western” já foi dado por morto e enterrado incontáveis vezes, embora insista em manifestar-se regularmente, mesmo que por vezes de forma ectoplásmica ou algo retorcida. Mas a verdade é que continuam a fazê-los. Por exemplo, Mel Gibson vai realizar e interpretar um “remake” de “A Quadrilha Selvagem”, de Sam Peckinpah (e não parece nada boa ideia); Casey Affleck prepara-se para dirigir Joaquin Phoenix em “Far Bright Star”, sobre um soldado americano que persegue Pancho Villa; e “The Kid” vai contar o encontro entre Billy the Kid e Pat Garrett, da perspetiva de um miúdo, com um elenco onde surgem Ethan Hawke, Chris Pratt e Vincent D’Onofrio, que também realiza. Enquanto isso, já podemos ver “Os Irmãos Sisters”, de Jacques Audiard.

[Veja o “trailer” de “Os Irmãos Sisters”]

O filme passa-se em meados do século XIX, durante a grande expansão para o Oeste e a febre do ouro, e apesar de não ter posto os pés nos EUA (foi todo rodado em Espanha e na Roménia), “Os Irmãos Sisters” cria a ilusão perfeita de que estamos nas paisagens consagradas e mitificadas pelo “western”. John C. Reilly e Joaquin Phoenix interpretam Eli e Charlie, os irmãos com o apelido curioso (cómico, até) do título. Mas longe de serem heróis, não são flores que se cheirem, e o que fazem não tem graça nenhuma. Ganham a vida como pistoleiros contratados, e a história abre em plena noite, com os Sisters a eliminarem impiedosamente um grupo de homens refugiados na casa de um rancho em chamas.

[Veja uma entrevista com Joaquin Phoenix]

Os irmãos são então contratados por um potentado local, o Comodoro (Rutger Hauer numa participação muda e fugidia), para encontrarem Herman Kermit (Riz Ahmed), um químico que inventou um processo fácil e prático de localizar e extrair ouro dos rios. Herman é pessoa de princípios e não quer trabalhar para um criminoso como o Comodoro, e fugiu. Este mandou à frente um homem, o melancólico John Morris (Jake Gyllenhaal), para localizar Herman, ganhar a sua confiança, capturá-lo e depois entregá-lo aos Sisters, que tratarão de lhe extrair o método de exploração de ouro e o encherão de chumbo a seguir. Parece simples, mas a imprevisibilidade da natureza humana pode meter-se no caminho do plano mais bem traçado.

[Veja uma entrevista com John C. Reilly]

“Os Irmãos Sisters” é um “western” singular. Realizado por um francês na Europa com base no livro escrito por um canadiano, com um elenco na sua maioria de atores americanos, o filme, por um lado, contempla e respeita temas, tipos de personagens e situações do género, e pelo outro contorna-os e rasteira-os. Os protagonistas ora agem como se estivessem num “western” tradicional, ora nos surpreendem a fazer coisas que nunca esperaríamos ver num filme destes, como sucede quando Eli descobre, maravilhado, a escova e a pasta de dentes. De cabo a rabo de “Os Irmãos Sisters”, Jacques Audiard alterna entre cumprir convenções do formato e mandá-las dar uma volta (e não serão poucos os que lamentarão ele ter-nos privado do esperado tiroteio final, embora mostre o mar, coisa raríssima numa fita de “cowboys”).

[Veja uma entrevista com Jake Gyllenhaal e Riz Ahmed]

O filme é atravessado pela tensão entre o velho Oeste da violência, do caos e da ausência de lei, representado por personagens como o Comodoro e o sanguinolento, alcoolizado e brutinho Charlie Sisters, e o novo Oeste que está a ser construído, de lei, ordem e civilização, corporizado por Herman, John Morris e sobretudo por Eli Sisters, cada vez menos à vontade com o seu modo de vida errante, perigoso e violento, que quer abandonar de vez, para assentar, abrir um negócio e passar a ser um cidadão normal. Joaquin Phoenix e John C. Reilly são os esteios da história, excelentes, um na truculência crónica, o outro na inquietação da vontade de mudar, a interpretar estes irmãos que, apesar de viverem pelas armas e de precisarem um do outro para sobreviver, são totalmente diferentes nos feitios, nas sensibilidades e nas aspirações. 

Depois de muitas peripécias, e por portas e travessas, “Os Irmãos Sisters” revela, mesmo no fim, a sua verdadeira natureza. Sob as roupagens de um “western” que navega entre a tradição e o revisionismo, está um filme sobre a força do amor fraternal, a importância dos laços familiares e o apelo da ordem e da paz. E como consegui-las, senão regressando a casa?  Se “Os Irmãos Sisters” começa com um tiroteio, mortes e um incêndio, termina no sossego e no aconchego do lar e no reencontro da mãe.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)