Cerca de 47% dos portugueses não foi ao dentista em 2017, percentagem que está acima da média da União Europeia (UE), com 45,1% dos europeus a não recorrerem a esta especialidade neste ano, revelou esta segunda-feira o Eurostat.

Segundo dados esta segunda-feira divulgados pelo gabinete de estatísticas da UE, 33,6% dos portugueses vai ao dentista uma a duas vezes por ano, percentagem que baixa 14,2% quanto aos que vão três a cinco vezes.

Apenas 3,3% dos portugueses vai ao dentista seis a nove vezes por ano, enquanto 2,3% o faz 10 vezes ou mais por ano, de acordo com os números revelados e referentes a 2017 sobre a frequência com que os europeus vão ao médico.

Estes números comparam com a média da UE, que se fixa em 42,3% no que toca aos europeus que vão ao dentista uma a duas vezes por ano, em 9,7% dos que o fazem três a cinco vezes e em 1,9% e 0,9% relativamente aos que vão, respetivamente, seis a nove vezes e 10 vezes ou mais por ano.

No que toca à medicina geral, a maior parte dos portugueses (44,2%) vai ao médico uma a duas vezes por ano, percentagem que desce para 25,3% dos que o fazem três a cinco vezes e para 18,7% quanto aos que não vão. Também estes dados estão acima da média da UE, que ficou pelos 37,6% quanto aos europeus que vão ao médico generalista uma a duas vezes por ano, seguindo-se os que vão três a cinco vezes (24,6%) e os que não vão (23,5%).

O Eurostat aponta que, “a nível da UE, a frequência das consultas de médicos generalistas foi mais elevada nas mulheres do que nos homens”, o que também se verificou nas “visitas a dentistas ou a cirurgiões gerais”.

Aludindo aos países, aquele gabinete estatístico indica que, relativamente à medicina geral, “a Dinamarca teve a maior parcela de pessoas que viu o seu médico seis vezes ou mais (49%)”, enquanto “França registou a maior percentagem de pessoas (34%) indo ao médico três a cinco vezes”.

Ainda relativamente à medicina geral, “a percentagem de pessoas que consultaram o seu médico uma ou duas vezes foi maior na Eslováquia (47%) e a percentagem de pessoas que não consultaram o médico foi mais elevada na Grécia (61%)”, adianta o Eurostat.

Quanto à cirurgia geral, 46,9% dos portugueses admitiu não ter recorrido a esta especialidade em 2017, contra 45,3% de média da UE. A maioria dos restantes portugueses (33,1%) recorreu à cirurgia geral uma a duas vezes por ano em 2017, percentagem que foi semelhante à tendência comunitária (33,5%).