Multibanco

SIBS diz que cobrança por transferências MB Way é decisão de cada banco

A responsável da empresa gestora da rede Multibanco afirmou que operações são na sua essência gratuitas, com exceção das transferências, cujo preçário é da responsabilidade dos bancos.

No início de fevereiro foi conhecido que, a partir de 1 de maio, o BPI vai passar a cobrar 1,20 euros por transferências

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A presidente da SIBS disse esta terça-feira que cabe a cada banco cobrar por transferências por MB Way, depois de, no início do mês, o BPI ter anunciado o pagamento desse serviço e de outros bancos admitirem fazer o mesmo.

“É do foro comercial de cada um dos bancos”, disse Madalena Tomé, em Alfragide (Amadora), na apresentação do SIBS API Market, uma plataforma que permite o desenvolvimento de serviços de pagamentos entre vários agentes de mercado, como bancos e novas empresas tecnológicas financeiras (fintech).

A responsável da empresa gestora da rede Multibanco afirmou que na aplicação MB Way as “operações são na sua essência gratuitas, com exceção das transferências, cujo preçário é da responsabilidade dos bancos“.

Madalena Tomé vincou que, atualmente, os 22 bancos que participam no MB Way ainda isentam as transferências feitas através deste serviço, apesar de no seu precário já poderem ter referido o custo, e que a decisão de passar a cobrar é desses mesmos bancos.

Presente na cerimónia de apresentação da plataforma API Market esteve esta terça-feira o ministro Adjunto e da Economia, Pedro Siza Vieira, que não respondeu à questão sobre se o Governo equaciona legislar para proibir os bancos de cobrarem por transferências no MB Way, tal como é proibido cobrar por transferências feitas em caixas da rede Multibanco.

Já a presidente executiva da SIBS, questionada sobre se teme que a cobrança leve os consumidores a perderem interesse neste serviço, disse que o “MB Way é a ‘wallet’ preferida dos portugueses” e que acredita que continuarão a utilizá-la pela conveniência que permite.

No início de fevereiro foi conhecido que, a partir de 1 de maio, o BPI vai passar a cobrar 1,20 euros por transferências que se realizem através da ‘app’ MB Way.

Questionado pela Lusa, fonte oficial do BPI confirmou então que o banco passará a cobrar quando um cliente seu dá ordens de transferência usando a aplicação MB Way, mas acrescentou que já na BPI App é também possível fazer transferências MBWay e que “neste canal o preçário continua isento (0 euros) para todos os clientes BPI”.

Já o Santander Totta disse que, atualmente, não cobra comissões em transferências MBWay e que ainda não decidiu sobre uma futura cobrança, mas considerou que “é normal que, sendo um serviço prestado, venha a ser cobrado”.

Pela Caixa Geral de Depósitos, fonte oficial afirmou que “a Caixa não está a cobrar comissões de transações em MBWay”, ou seja, está a isentar de taxas este serviço, isto “apesar de já ter há vários meses o valor de 0,20 euros no preçário”.

Por seu lado, o BCP disse que desde o lançamento do serviço MB WAY “não aplica o seu preçário para estas transferências”. O banco tem inscrito um valor de 1,30 euros por cada transferência para contas de outro banco usando MB WAY.

O Novo Banco não respondeu às questões da Lusa.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

O fim do dinheiro como o conhecemos? /premium

Paulo Raposo

Os pagamentos em numerário saíram mais caros aos comerciantes que os pagamentos com cartão de débito, facto que destrói o mito urbano dos “pagamentos com cartão só acima dos 5 euros” que ainda se vê.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)