Rádio Observador

Dia da Mulher

Marchas, greves e apelos: as imagens do Dia Internacional da Mulher pelo mundo

Esta sexta-feira assinala-se o Dia Internacional da Mulher, que está a ser celebrado por todo o mundo com marchas, paralisações e apelos. Em Portugal, há Greve Feminista inédita.

Autor
  • Agência Lusa

O Dia Internacional da Mulher está esta sexta-feira a ser assinalado em vários pontos do mundo por marchas, paralisações e apelos para um maior equilíbrio entre géneros, nomeadamente em Espanha onde milhares de mulheres aderiram a uma greve feminista —  na fotogaleria, veja algumas das imagens pelo mundo que marcam esta efeméride.

Da Europa à Ásia, passando também pelos continentes americano e africano, várias iniciativas foram programadas para assinalar este dia, instituído desde 1975 pelas Nações Unidas, que pretende celebrar as conquistas das mulheres e promover os seus direitos.

Em Portugal, concentrações previstas em várias cidades e uma inédita Greve Feminista, com cinco sindicatos com pré-avisos emitidos para a paralisação que espera ser uma “greve social” e um momento de reflexão, marcam o Dia Internacional da Mulher. Na quinta-feira, o país cumpriu, pela primeira vez, o dia de luto nacional em memória às vítimas de violência doméstica.

Em Espanha, uma greve feminista está a mobilizar milhares de mulheres que escolheram não comparecer esta sexta-feira nos respetivos postos de trabalho em escritórios ou em fábricas para exigir um mundo mais equilibrado em termos de género e um combate mais efetivo contra as diferenças salariais, a violência e uma desigualdade generalizada.

Outras mulheres optaram por suspender tarefas domésticas ou deixar outras ações, como por exemplo os cuidados relacionados com os filhos, para os seus parceiros do sexo masculino.

A par da paralisação, milhares de pessoas, a maioria mulheres, concentraram-se esta sexta-feira de manhã no centro de Madrid para participar numa ação convocada por um sindicato estudantil. Mulheres de várias idades transportavam duas grandes faixas onde se podiam ler as frases “Os nossos corpos não são mercadoria” e “Sem feminismo não há revolução”, segundo relataram as agências internacionais.

“Não estamos todas, faltam as assassinadas!”, “Se tocam numa, tocam em todas!” ou “A rua, à noite, também é nossa!” foram algumas das frases de ordem entoadas durante a marcha em Madrid. Marchas com contornos semelhantes foram também realizadas em outras cidades espanholas.

Já em França, o primeiro prémio Simone Veil (primeira mulher presidente do Parlamento Europeu e antiga ministra da Saúde francesa) foi entregue à ativista dos Camarões Aissa Doumara Ngatansou, que tem lutado contra os casamentos forçados e outras formas de violência contra meninas e mulheres. A ativista foi forçada a casar quando tinha 15 anos.

Na Índia, centenas de mulheres marcharam nas ruas de Nova Deli para exigir o fim da violência doméstica, dos ataques sexuais e da discriminação laboral. Neste país, milhares de mulheres são mortas todos os anos — em muitos casos molhadas com gasolina e queimadas até à morte — porque o seu noivo ou a família do futuro marido consideram que o seu dote de casamento é inadequado.

Os partidos políticos indianos prometem há vários anos instituir uma quota de 33% de mulheres no parlamento, mas, até à data, nenhuma legislação foi aprovada nesse sentido.

Ainda no continente asiático, o dia também foi assinalado em diversos países, como as Filipinas, onde centenas de mulheres se vestiram de roxo e protestaram em Manila para exigir a destituição do Presidente Rodrigo Duterte. As manifestantes acusaram Duterte de piadas sexistas e defenderam que o chefe de Estado filipino representa uma ameaça à democracia naquele país.

Nos Estados Unidos, o Dia Internacional da Mulher também está a ser assinalado sob o lema “#BalanceforBetter”, frase que pretende promover mais equilíbrio entre mulheres e homens. Seminários, ações de ruas e iniciativas culturais estão programadas para esta sexta-feira.

Na quinta-feira, a primeira-dama norte-americana, Melania Trump, homenageou mulheres oriundas de 10 países — Bangladesh, Djibouti, Egito, Irlanda, Jordânia, Montenegro, Myanmar (antiga Birmânia), Peru, Sri Lanka e Tanzânia — com o Prémio Internacional Mulheres de Coragem. Entre as galardoadas constaram ativistas de direitos humanos, agentes policiais e uma jornalista de investigação.

Em África, mais de 100 mulheres manifestaram-se esta sexta-feira no centro de Nairobi, Quénia, para protestar contra a violência de género. O protesto, convocado por feministas quenianas sob o lema “Humanizar os corpos das mulheres negras”, pretendeu exigir ao governo do país ações concretas contra a violência sexista.

“Saímos para a rua como feministas porque estão a matar-nos todos os dias, mas não existe nenhum diálogo sobre isto nas instituições. Queremos introduzir o feminismo na discussão pública porque, enquanto estão sentados, mais mulheres vão continuar a morrer”, declarou a advogada e uma das organizadoras do protesto, Vivian Ouya, citada pela agência noticiosa espanhola EFE.

Na Etiópia, o primeiro-ministro, Abiy Ahmed, que nomeou em 2018 um governo em que metade dos cargos são ocupados por mulheres, afirmou esta sexta-feira que “as mulheres são os pilares da nação e as menos reconhecidas por seus sacrifícios”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Combustível

O mundo ao contrário /premium

João Pires da Cruz

Se o seu depósito é mais importante do que aquilo que os pais deste bebé sentiram quando lhes disseram que o filho deles morreu instantes depois do nascimento, é porque tem o mundo ao contrário.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)