Abusos na Igreja

Cardeal George Pell condenado a seis anos de prisão por abuso sexual. Advogados já apresentaram recurso

471

O antigo número 3 do Vaticano foi condenado por ter abusado sexualmente de dois rapazes na década de 90. O pai de um deles, que morreu de uma overdose, já reagiu: "Não vai trazer o meu filho de volta"

Pelo menos três anos e oito meses de pena efetiva terão de ser cumpridos pelo cardeal George Pell

DAVID CROSLING/EPA

O cardeal George Pell, antigo número 3 do Vaticano, foi condenado a seis anos de prisão por ter abusado sexualmente de dois rapazes na década de 90, avança o jornal britânico The Guardian. O juiz Peter Kidd, do Tribunal de Comarca de Victoria, em Melbourne, ordenou que, pelo menos, três anos e oito meses de pena efetiva sejam cumpridos pelo cardeal. Só findo este período é que a liberdade condicional pode ser ponderada.

A notícia da condenação caiu na madrugada desta quarta-feira em Portugal, 13 de março, dia em que estava marcada a leitura da sentença — e o dia em que faz seis anos que Papa Francisco foi eleito.

O tribunal, que apenas ouviu uma das vítimas, uma vez que a outra morreu em 2014, com 13 anos, vítima de overdose de heroína, considerou provado que o cardeal forçou os rapazes a atos indecentes. O juiz declarou que, para a sentença, teve em conta os “crimes hediondos” cometidos por Pell, mas também a sua idade avançada, 77 anos, e o facto de “ter levado uma vida irrepreensível”.

O juiz Peter Kidd ordenou que, pelo menos, três anos e oito meses de pena efetiva sejam cumpridos pelo cardeal (Foto: WILLIAM WEST/AFP/Getty Images)

O cardeal George Pell, que enfrentava uma pena de prisão que podia chegar aos 50 anos, negou as acusações. Os advogados anunciaram logo após a leitura da sentença que vão recorrer da pena aplicada. O recurso será apreciado apenas em junho, de acordo com informação avançada ainda pelo The Guardian.

“A vida do meu filho foi desperdiçada por dois minutos de prazer de um homem”

O pai do jovem de 13 anos — que nunca falou sobre os abusos que o filho sofreu — esteve na sala de audiências e falou aos jornalistas depois de lida a sentença. “Ouvir o juiz, lá dentro, foi difícil. Estava com raiva, por dentro. Senti que a vida do meu filho foi desperdiçada, desperdiçada por dois minutos de prazer de um homem. Não é fácil de descrever. Não é sequer fácil estar aqui e falar”, disse.

Vi-o [a George Pell] a sair do tribunal e pensei: bom, eu vou dormir na minha cama, hoje. Onde é que vais dormir hoje?”, disse acrescentando: “Não vai trazer o meu filho de volta”.

O pai descreveu ainda o filho como “um rapaz normal” e “honesto”, que “gostava de ajudar os avós”. “Estas coisas destroem as famílias, destroem as pessoas”, acrescentou.

À porta do tribunal, várias pessoas juntaram-se para se manifestar contra o cardeal (Foto: WILLIAM WEST/AFP/Getty Images)

George Pell, que em 2014 foi nomeado pelo Papa Francisco para colocar as finanças do Vaticano em ordem, é culpado de ter penetrado um rapaz de 13 anos e de, em quatro ocasiões, ter cometido “atos indecentes” com outro menor de 13 anos, numa catedral em Melbourne, na Austrália. Estes episódios terão ocorrido entre dezembro de 1996 e o início de 1997 na Catedral de São Patrício, em Melbourne, poucos meses depois de Pell ter sido nomeado arcebispo da cidade.

No final de fevereiro, o Tribunal de Melbourne ordenou a detenção do cardeal condenado pelo abuso sexual de dois menores. George Pell é o clérigo com o cargo mais elevado de sempre no Vaticano a ser condenado pelo abuso sexual de menores.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)