Rádio Observador

Brexit

Parlamento Europeu volta a discutir processo após novo chumbo britânico

Os eurodeputados vão analisar esta quarta-feira o novo chumbo da Câmara dos Comuns e avaliar as suas consequências. O debate contará também com a presença do presidente da Comissão Europeia.

Na terça-feira, o parlamento britânico voltou a chumbar o Acordo de Saída do Reino Unido da UE, com 391 votos contra e 242 votos a favor

ANDY RAIN/EPA

O Parlamento Europeu volta a debater esta quarta-feira o ‘Brexit’ numa discussão que conta com o negociador-chefe da União Europeia (UE) e ocorre um dia após o parlamento britânico ter chumbado novamente o Acordo de Saída do Reino Unido.

Além de Michel Barnier, o debate marcado para as 10h00 locais (09h00 em Lisboa) conta também com a presença do presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e será feito no âmbito da sessão plenária do Parlamento Europeu, que decorre em Estrasburgo, França.

Na ocasião, os eurodeputados irão, assim, analisar o novo chumbo da Câmara dos Comuns e avaliar as suas consequências.

Na terça-feira à noite, o parlamento britânico voltou a chumbar o Acordo de Saída do Reino Unido da UE, com 391 votos contra e 242 votos a favor.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, não conseguiu fazer passar o acordo apesar dos três documentos adicionados segunda-feira que o Governo considerava terem as alterações necessárias para conseguir uma maioria de deputados favorável.

Reagindo ao novo chumbo, Michel Barnier defendeu, também na terça-feira à noite, que a UE fez tudo o que podia para ajudar à aprovação do Acordo de Saída do Reino Unido Bruxelas do bloco comunitário no parlamento britânico.

Numa curta publicação na rede social Twitter, o principal negociador da UE para o ‘Brexit’ escreveu que “a UE fez tudo o que estava ao seu alcance para ajudar à aprovação do Acordo de Saída“.

“O impasse [do ‘Brexit’] só pode ser resolvido no Reino Unido. Os nossos planos de contingência para um não acordo são mais importantes do que nunca”, vincou na publicação.

Além do Acordo de Saída e da Declaração Política sobre as relações futuras, foram votados, no âmbito da proposta apresentada pela chefe de Governo britânica, três novos documentos, que só foram finalizados ao final do dia de segunda-feira em Estrasburgo pela primeira-ministra britânica, Theresa May, e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

O Acordo de Saída negociado com Bruxelas foi submetido ao parlamento britânico pela segunda vez, depois de ter sido chumbado a 15 de janeiro por uma margem de 230 votos, incluindo 118 de deputados do partido do Governo, o partido Conservador.

A rejeição por maioria esmagadora do documento é uma derrota pesada para a primeira-ministra do Partido Conservador que negociou até ao último minuto o texto, de 600 páginas, podendo colocar a questão da sua sobrevivência à frente do executivo britânico.

O maior partido da oposição, o Partido Trabalhista, mas também o Partido Democrata Unionista (DUP), partido norte-irlandês aliado do governo no parlamento, e os conservadores eurocéticos já tinham anunciado que iriam votar contra.

Depois da votação e rejeição, os deputados britânicos votam, também hoje, a possibilidade de o Reino Unido sair da União Europeia sem acordo, um cenário particularmente temido nos meios económicos.

Se também essa possibilidade for afastada pela Câmara dos Comuns, será então votado se Londres pede aos líderes europeus um adiamento do ‘Brexit’ para depois da data prevista, de 29 de março.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)