Montepio

Banco Montepio diz que já cumpria em dezembro requisitos de capital

Banco da Associação Mutualista comunicou à CMVM os rácios de capital exigidos pelo Banco de Portugal a partir de julho deste ano.

MIGUEL A.LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O banco Montepio disse esta quinta-feira que já cumpria em final de 2018 os requisitos de capital exigidos pelo Banco de Portugal a partir de 1 de julho de 2019, segundo informação ao mercado.

O banco pertencente à Associação Mutualista Montepio Geral divulgou esta quinta-feira, através de comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), os rácios de capital exigidos pelo Banco de Portugal a partir de 1 de julho de 2019.

Segundo a informação, a partir dessa data tem de ter, pelas regras do período de transição, rácio CET1 de 10,125%, rácio T1 de 11,625% e rácio total de 13,625%.

O Montepio divulga ainda os rácios que tinha em 31 de dezembro de 2018 nestes indicadores (13,5%, 13,5% e 14,1%, respetivamente), o que significa que já cumpria no ano passado os rácios pedidos pelo banco central para meados deste ano.

“Os rácios de fundos próprios reportados a 31 de dezembro de 2018 pelo Banco Montepio encontram-se acima dos níveis prudenciais exigidos, que incorporam os referidos requisitos específicos em termos de Pilar 2 e as demais reservas aplicáveis”, refere no comunicado ao mercado.

Os rácios de capital são indicadores de solvabilidade de um banco, sendo contabilizados em função dos ativos ponderados pelo risco.

O banco Montepio teve lucros de 12,6 milhões de euros em 2018, um aumento face aos 6,4 milhões de euros de 2017.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Montepio

Um Franciscano no Montepio

João Simeão
350

O franciscano vigário tem muito “saber de experiência feito” e é mestre do disfarce e da desculpabilização das suas incoerências: “não fica nada para mim, vai tudo para os meus frades, para a Ordem"…

Economia

Produtividade: a culpa é da mão de obra?

Fernando Pinto Santos

De quem é a culpa da baixa produtividade do trabalho em Portugal? Da mão de obra? Sim, mas é só um dos fatores. Falta também maior eficiência dos fatores produtivos e maior capacidade para criar valor

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)