Rádio Observador

Energia Nuclear

Empresas da central nuclear de Almaraz reúnem-se para discutir nova licença

Os pedidos para a renovação das licenças de exploração desta central situada a cerca de cem quilómetros da fronteira com Portugal e de Vandellós, terão de ser submetidos até 31 de março.

Para a licença para a central de Almaraz continuar a funcionar seria renovada por sete anos e quatro meses

ANTÓNIO JOSÉ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

As empresas proprietárias da central nuclear de Almaraz (Espanha) reúnem-se na terça-feira para tentar chegar a acordo sobre a apresentação do pedido de renovação da licença de exploração, informou este domingo a agência Efe.

Os pedidos para a renovação das licenças de exploração desta central situada a cerca de cem quilómetros da fronteira com Portugal e de Vandellós II, a última unidade em que só a Endesa e a Iberdrola têm interesse, terão de ser submetidos até 31 de março. A reunião dos proprietários da central de Almaraz – Iberdrola (53%), Endesa (36%) y Naturgy (11%) – verifica-se após aquelas empresas terem, em reunião efetuada na passada terça-feira, discordado da forma como apresentar o pedido.

Embora todas as empresas com participações naquela central nuclear na Espanha tenham assinado com a Companhia Nacional de Resíduos Radioativos (ENRESA) o protocolo que inclui o calendário que prevê que todas as empresas nucleares espanholas serão encerradas entre 2025 e 2035, a reunião da última terça-feira terminou sem acordo.

Fontes do setor adiantaram à EFE que a Iberdrola e a Naturgy queriam vincular o pedido de renovação da licença de exploração, para os anos incluídos no protocolo, às condições económicas e aos investimentos a serem realizados. O protocolo estabelece que para a licença para a central de Almaraz continuar a funcionar seria renovada por sete anos e quatro meses no caso do grupo I da unidade de Cáceres e oito anos e dois meses no seu grupo II, com o qual alargaria sua operação até 2028.

Antes da reunião, o conselho de administração da central reuniu-se para discutir assuntos correntes, que aprovaram o plano de negócios da central até 2028. Além disso, na próxima quarta-feira, realiza-se a reunião dos proprietários da central de Vandellós II, da qual a Endesa participa com 72% e a Iberdrola com 28%. A assembleia de proprietários desta unidade reuniu-se na última quarta-feira e decidiu convocar uma nova reunião para dia 20, um dia após a reunião de Almaraz. Ao contrário de Almaraz, que é o primeiro a fechar, segundo o protocolo com a Endesa, Vandellós II seria a próximo, e por último seria Trillo.

A ministra da Transição Ecológica, Teresa Ribera, declarou na terça-feira que, com o cronograma para o fecho do parque nuclear, será possível desmontar em condições de segurança e evitar o “espetáculo” que foi o encerramento efetuado em Garoña. Garoña, desligada da rede desde dezembro de 2012, obteve em 2017 o relatório favorável do Conselho de Segurança Nuclear (CSN) para reoperar, desde que cumprisse os investimentos para melhorar os sistemas de segurança nuclear e proteção contra radiação.

No entanto, o Ministério da Energia decidiu dar essa permissão, após os dois sócios (Iberdrola e Endesa) discordarEm sobre a forma de retomar as atividades. A Iberdrola considerou-a “inviável” e apelou ao seu sócio que desistisse de pedir nova permissão para reoperar, condição para a qual a unanimidade das partes era necessária.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)