479kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Samaris e a nova vida de um grego que já agrada a troianos (a crónica do Moreirense-Benfica)

Este artigo tem mais de 3 anos

Samaris marcou pelo segundo jogo consecutivo e foi o melhor elemento do Benfica na goleada imposta ao Moreirense. O grego, que estava fora das opções de Rui Vitória, é agora essencial para Bruno Lage.

O médio grego marcou o segundo golo do Benfica depois de um canto batido por Pizzi
i

O médio grego marcou o segundo golo do Benfica depois de um canto batido por Pizzi

EPA

O médio grego marcou o segundo golo do Benfica depois de um canto batido por Pizzi

EPA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Quando o Moreirense visitou a Luz, em novembro, tornou-se a primeira equipa (e única, até agora) a vencer no estádio do Benfica e agudizou uma crise encarnada que tinha Rui Vitória como alvo preferencial. Depois de perder no Jamor frente ao Belenenses SAD, o Benfica voltou a escorregar com a equipa de Moreira de Cónegos mas Vitória sobreviveu aos primeiros rumores que o colocavam nas placas de saída — como haveria de sobreviver aos segundos, depois da goleada em Munique, acabando por capitular apenas após perder com o Portimonense já em janeiro. Face a esse período, o Benfica que este domingo visitava o Moreirense tinha apenas uma coisa em comum com esse Benfica que em novembro perdeu na Luz: acontecia precisamente depois de um resultado menos positivo frente ao Belenenses SAD.

Depois do passo em falso na passada segunda-feira — o Benfica esteve a vencer a equipa de Silas por dois golos mas acabou por ceder o empate –, os encarnados ficaram sem a margem de erro que haviam conquistado no Dragão na semana anterior e estavam em igualdade pontual com o FC Porto na liderança da Primeira Liga. Os dragões, porém, receberam e bateram o Marítimo e pressionavam o Benfica na sempre difícil deslocação a Moreira de Cónegos (onde o FC Porto perdeu pontos esta temporada). Para regressar ao topo da classificação, a equipa de Bruno Lage estava obrigada a vencer a equipa sensação do Campeonato. E, talvez por isso o treinador encarnado não tenha querido arriscar.

Depois de poupar e gerir na receção ao Dínamo Zagreb a meio da semana, onde o Benfica acabou por carimbar a passagem aos quartos de final da Liga Europa, Lage restaurou a titularidade de Grimaldo, Samaris e João Félix e manteve Jonas na frente de ataque face à lesão de Seferovic — enquanto que Pizzi e Rafa eram os donos dos corredores. Fejsa e Yuri Ribeiro, ambos no onze inicial que defrontou a equipa croata na quinta-feira, saíam da convocatória. Do outro lado, Ivo Vieira não podia contar com o guarda-redes Jhonatan, que partiu um braço na jornada anterior, nem com Heriberto, por pertencer aos quadros encarnados.

Mostrar Esconder

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ficha de jogo

Moreirense-Benfica, 0-4

26.ª jornada da Primeira Liga NOS

Estádio Comendador Joaquim de Almeida Freitas, em Moreira de Cónegos

Árbitro: Nuno Almeida (AF Algarve)

Moreirense: Trigueira, João Aurélio, Halliche, Ivanildo, Bruno Silva (D’Alberto, 45′), Fábio Pacheco (Ibrahima, 45′), Ângelo Neto, Chiquinho, Arsénio (Nené, 60′), Bilel, Pedro Nuno

Suplentes não utilizados: Macedo, Iago Santos, Teixeira, Lucas Rodrigues

Treinador: Ivo Vieira

Benfica: Odysseas, André Almeida, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo, Samaris, Gabriel (Florentino, 77′), Pizzi (Gedson, 72′), Rafa, João Félix, Jonas (Cervi, 85′)

Suplentes não utilizados: Zlobin, Corchia, Zivkovic, Jota

Treinador: Bruno Lage

Golos: João Félix (37′), Samaris (43′), Rafa (48′), Florentino (83′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a João Aurélio (6′), Fábio Pacheco (36′), Ivanildo (63′), Bilel (90′)

O Benfica entrou mais forte no jogo, com uma grande oportunidade logo aos três minutos: Rafa ganhou uma bola em zona já avançada do terreno e serviu Pizzi, que entrava na grande área a partir da direita. O médio português recebeu e atirou em jeito à baliza de Trigueira mas a bola passou ao lado. Estava feito o primeiro aviso — não só de que o Benfica tinha viajado até Moreira de Cónegos com a intenção de resolver rápido um jogo que se poderia tornar complicado mas também da forma como Bruno Lage tinha preparado a partida. Rafa, a partir do corredor esquerdo, era o grande dinamizador e criativo de uma organização ofensiva que este domingo tinha João Félix mais preso à faixa central, Jonas mais móvel e Pizzi a procurar terrenos interiores sem nunca se prender muito à ala, onde André Almeida fazia a dobra.

Depois de dez minutos muito físicos e intensos — Grimaldo sofreu uma entrada agressiva de João Aurélio e chegou a preocupar Bruno Lage –, o jogo acalmou e o Moreirense deixou perceber qual era a ideia para a receção ao Benfica em termos de ataque. Se em terrenos recuados a ideia era congelar João Félix e tentar asfixiar Gabriel, muitas vezes o paciente zero dos lances de golo dos encarnados, nas zonas mais avançadas do relvado o Moreirense procurava de forma mais frequente os corredores, com Arsénio na direita e Bilel na esquerda. Bilel, porém, nem sempre correspondia às solicitações de Neto e Fábio Pacheco e falhou muitas vezes no último passe para Pedro Nuno, obrigando a equipa de Ivo Vieira a privilegiar a ala direita, onde Arsénio se assumia como elemento mais perigoso do Moreirense. No período mais pressionante da equipa de Moreira de Cónegos, a meio da primeira parte, Bilel chegou mesmo a introduzir a bola na baliza de Vlachodimos com um cruzamento que saiu muito chegado à pequena área mas Nuno Almeida anulou de imediato o lance por fora de jogo de Arsénio, que teve influência na saído do guarda-redes grego dos postes (22′).

[Carregue nas imagens para ver os melhores momentos do Moreirense-Benfica:]

No ataque, o Benfica continuava a tentar arrancar a partir da esquerda para o meio, onde estava sempre João Félix demasiado sozinho: o jovem avançado português parecia até estar a passar um pouco ao lado do jogo, pouco móvel e pouco embrenhado nas transições de fora para dentro. Foi assim, contudo, que o Benfica acabou por chegar ao primeiro golo — que só não contou porque o VAR entendeu que Pizzi estava em posição de fora de jogo na altura do passe de Rafa. Ainda assim, estava dado o exemplo: Rafa trouxe a bola do corredor para a faixa central, aguentou a carga, desmarcou Pizzi na direita e o médio português serviu Jonas no coração da grande área (30′). Sete minutos depois, com intervenientes diferentes mas novamente da esquerda para o meio, os encarnados conseguiram mesmo chegar à vantagem.

Lançamento de linha lateral marcado de forma rápida na esquerda da defesa e Grimaldo a fazer um passe a rasgar toda a defesa do Moreirense. Ivanildo Fernandes, colocado à frente de João Félix, parecia ter o lance controlado mas acabou por falhar o corte, deixando o jovem encarnado isolado e na cara de Trigueira. Félix, com um remate em jeito, inaugurou o marcador e fez o sexto golo em oito jornadas (37′). O Moreirense pouco ou nada reagiu à desvantagem, sempre com pouco critério no último passe, e o Benfica acabou por conseguir aumentar a vantagem numa altura em que a equipa de Ivo Vieira já só pensava no intervalo. Pontapé de canto batido por Pizzi na direita e Samaris, totalmente imperial, a aparecer entre os centrais para marcar pelo segundo jogo consecutivo (43′): chegando aos dois golos desde o início da temporada e igualando o melhor registo goleador no Benfica, em 2015/16. O Moreirense ainda podia ter reduzido antes da ida para o descanso — grande defesa de Vlachodimos a cabeceamento de Pedro Nuno — mas o Benfica foi mesmo para o intervalo a vencer por dois golos de diferença e com a partida parcialmente controlada.

No regresso para a segunda parte, Ivo Vieira procurou recuperar o período mais ofensivo do Moreirense e fez uma dupla substituição: tirou Bruno Silva e Fábio Pacheco, lançou D’Alberto e Ibrahima. Como resposta, o Benfica aumentou a vantagem logo aos três minutos de jogo, num lance que foi uma espécie de inversão daquilo que havia acontecido durante a primeira parte. Lançamento na direita, João Félix e Jonas trocam a bola em passe curto e é o brasileiro que serve Rafa com um passe vertical. À saída de Trigueira, o médio picou para o terceiro do Benfica e para o 10.º da conta pessoal, marcando pela quinta vez em seis jornadas. Aos 48 minutos, os encarnados tinham o encontro praticamente sentenciado e o Moreirense pouco ou nada fazia para procurar uma reação.

À exceção de um livre direto de Chiquinho que motivou uma grande defesa de Vlachodimos (53′) e um remate na direita com os mesmos intervenientes (76′), o Moreirense nunca conseguiu chegar com perigo à área do guarda-redes grego. O Benfica, compreensivelmente e racionalmente, tendo em conta a maratona de 120 minutos contra o Dínamo Zagreb na quinta-feira, baixou o ritmo e optou por trocar a bola sem nunca perder o controlo do meio-campo. Bruno Lage geriu e fez entrar Gedson e Florentino para poupar os ultra utilizados Gabriel e Pizzi e os encarnados seguraram a vantagem folgada até ao final da partida. Florentino, no seguimento de uma grande confusão depois de um pontapé de canto, ainda teve tempo de se estrear a marcar pela equipa principal.

O Benfica bateu de forma inequívoca um adversário difícil e que tinha vencido na Luz e voltou às vitórias na Primeira Liga depois da escorregadela contra o Belenenses SAD. Mais do que isso, os encarnados não deixaram fugir o FC Porto e estão novamente no topo da classificação com os mesmos pontos dos dragões mas com a tranquilidade da vantagem no confronto direto. Para isso, muito terá de agradecer a um grego: Samaris. O médio marcou pelo segundo jogo consecutivo e foi o melhor elemento do Benfica nesta segunda vida que lhe foi dada por Bruno Lage.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Este artigo só pode ser lido por um utilizador registado com o mesmo endereço de email que recebeu esta oferta.
Para conseguir ler o artigo inicie sessão com o endereço de email correto.