Rádio Observador

Banca

Banco Montepio já pagou quase 1 milhão de euros para defender Tomás Correia

633

O Banco de Portugal enviou uma carta a Carlos Tavares a pedir explicações sobre a deliberação que permite ao banco assumir o pagamento do apoio jurídico de Tomás Correia.

Montepio decidiu suportar encargos de apoio jurídico dado a gestores e antigos gestores, como Tomás Correia. BdP tem dúvidas sobre enquadramento legal da medida

RODRIGO ANTUNES/LUSA

O Montepio já gastou um milhão de euros com a defesa de Tomás Correia, mas o Banco de Portugal tem dúvidas sobre o enquadramento legal da decisão que permite ao banco suportar encargos jurídicos de gestores, antigos ou atuais, e poderá mesmo vir a anulá-la. Por outro lado, quer conhecer melhor os detalhes dos 950 mil euros já pagos à Uría, sociedade espanhola de advogados, chefiada em Portugal por Daniel Proença de Carvalho, que tem apoiado juridicamente Tomás Correia. A notícia é avançada nesta segunda-feira pelo Público.

Na Assembleia Geral de 16 de março de 2018, segundo ata tornada pública pelo mesmo jornal, foi deliberado que o Montepio passaria a assumir o “pagamento dos custos em que possam incorrer os atuais ou antigos administradores e membros de outros órgãos sociais da sociedade, relacionados com quaisquer processos ou procedimentos que sejam direta ou indiretamente relacionados ou resultantes da sua atividade na sociedade e que resultem de contas de honorários passadas na devida forma ou de documentos emitidos por entidades oficiais”.

Esta decisão permite que o banco assuma os encargos de apoio jurídico a antigos gestores condenados em processos movidos por entidades oficiais, como o supervisor bancário, a CMVM, a ASF (Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões) ou o Ministério Público.

Acontece que o Banco de Portugal tem dúvidas sobre a legalidade desta decisão e já enviou uma carta ao chairman Carlos Tavares e à presidente executiva Dulce Mota pedindo informação detalhada sobre a deliberação em causa. Perante as justificações, o supervisor poderá anular a decisão.

Para começar, a proposta foi apresentada pelo próprio Tomás Correia, na qualidade de representante da Associação Mutualista Montepio Geral, acionista quase único do banco. Em causa está um potencial conflito de interesses — quem assina e aprova pode beneficiar da medida — e a suspeita de que alguns trâmites legais não terão sido respeitados.

Sobre o assunto, Tomás Correia disse em entrevista ao DN/TSF que “uma das áreas muito importantes da atividade empresarial é aconselhar e trabalhar para que haja mecanismos de proteção para que algum dos administradores das empresas ou diretores possam ser protegidos, quando acusados, ou quando envolvidos em qualquer acão que tenha a ver com o exercício da profissão”.

Para além de ter dúvidas sobre a deliberação, o Banco de Portugal quer também conhecer os detalhes dos custos já suportados pelo banco no decorrer do processo de Tomás Correia que somam quase um milhão de euros. À sociedade de advogados Uría foram pagos 950 mil euros: 190 mil euros para pagar a defesa do Montepio, multado pelo BdP em 2,5 milhões de euros, e 760 mil euros para suportar os encargos com os honorários dos advogados dos gestores visados nos processos contra-ordenacionais do BdP.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)