Catástrofes

Ciclone Trevor toca terra no Território Norte da Austrália com ventos de 250 km/hora

459

O 'olho' do ciclone Trevor, um sistema climático de categoria quatro e quase do tamanho de Nova Gales do Sul, atingiu a costa do norte da Austrália com rajadas de vento de até 250 km/h.

NASA WORLDVIEW / HANDOUT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O ‘olho’ do ciclone Trevor, um sistema climático de categoria quatro e quase do tamanho de Nova Gales do Sul, atingiu hoje a costa do Território do Norte da Austrália com rajadas de vento de até 250 quilómetros por hora.

As autoridades regionais admitem que ainda é cedo para saber os danos que o ciclone vai causar, tendo confirmado que algumas pessoas se recusaram a sair de casa durante uma evacuação preventiva de várias localidades.

Mais de 2.000 pessoas foram retiradas de toda a região do Golfo de Carpentaria, incluindo Borroloola e Numbulwar e ainda das ilhas Sir Edward Pellew.

Brendan Muldoon, da polícia do Território Norte, explicou aos jornalistas que, contra o conselho das autoridades, quatro pessoas se recusaram a sair da remota ilha de Vanderlin e que seis pessoas se recusaram a sair de Borroloola.

Equipas de emergência, apoiados por aeronaves, estão preparados para intervir assim que a situação climatérica o permitir.

Ciclones de categoria 4, com ventos que podem alcançar os 279 quilómetros por hora, são considerados “graves” pelo Serviço de Meteorologia.

No caso do Trevor, as previsões indicam que a tempestade poderá chegar a alcançar um ‘olho’ de 30 quilómetros de diâmetro.

Na sua passagem pelo estado australiano de Queensland, o Trevor provocou danos materiais, com ventos fortes a derrubar árvores e postes elétricos, deixando na zona mais de 300 mm de chuva e ventos de mais de 133 quilómetros por hora.

As autoridades estão a acompanhar um segundo ciclone, o Verónica, que está atualmente com categoria 4 e que está atualmente a cerca de 250 quilómetros da costa, devendo atingir a zona noroeste de Port Hedland, na Austrália Ocidental.

O Verónica pode alcançar rajadas de até 230 quilómetros por hora.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

Idai

Gabriel Mithá Ribeiro

Sobretudo por causa da parceria com a China, e como outros países africanos, a floresta de Moçambique tem sido dizimada a um ritmo avassalador. Nisto o governo local tem seriíssimas responsabilidades.

Moçambique

A passagem do ciclone Idai por Moçambique

Salimo Amad Abdula

Seria injusto não reconhecer e expressar o meu orgulho pelo crescimento cívico e solidário que têm sido demonstrados a nível nacional (como moçambicanos), em especial pela geração mais jovem.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)