Rádio Observador

Moçambique

Idai: Super-homem de Búzi arrisca viagem para alimentar família

285

Hélder Fazenda, 37 anos, professor de matemática, implora por um espaço para dois sacos de alimentos numa das poucas embarcações artesanais que se arisca contra a maré do rio Búzi, em Moçambique.

António Silva/LUSA

Hélder Fazenda, 37 anos, professor de matemática, implora por um espaço para dois sacos de alimentos numa das poucas embarcações artesanais que se arisca contra a maré do rio Búzi, em Moçambique.

O ciclone Idai ditou que só lhe restasse uma ‘t-shirt’ com ‘S’ maiúsculo do Super-Homem para vestir, mas se calhar ajusta-se à missão de hoje: regressar da Beira com mantimentos para a família, presa pelas águas na vila de Búzi.

O que seria banal em outra altura qualquer, conseguir provisões na Beira, tornou-se agora numa aventura.

A pequena embarcação de madeira, alugada por um grupo de pessoas, sai da Praia Nova, quase no centro da cidade da Beira, em direção à vila, numa viagem “arriscada” devido às condições meteorológicas e quase foi impedida pelas autoridades marítimas locais.

Entra pela foz, vai rio acima e Hélder Fazenda espreita em frente, por cima da água castanha e revolta, para ver se ainda falta muito para chegar junto da esposa e do filho de oito meses.

São quatro horas para lá, contra a maré, o dobro do que lhe tinha levado a descer o rio.

Quando saiu junto deles não sabia bem o que ia encontrar na Beira, o que conseguiria comprar, nem como voltar à vila, mas tudo era melhor do que o mundo virado do avesso que quase os submergiu.

Tal como milhares de pessoas, estiveram sitiados durante dias, esperam por mantimentos.

“Tive de arriscar” ir à Beira. “Tenho de levar esta comida à minha família”, refere, acrescentando que além de feijão e arroz, os sacos contêm leite para o seu filho.

“Estive num centro de acomodação [em Búzi], mas ninguém nos está a ajudar. Não há médicos ali. As estradas estão interrompidas e não há comunicações. As pessoas são picadas por cobras e não há como serem assistidas”, acrescentou o ‘Super-Homem’.

As águas descem, mas quase todo distrito de Búzi continua submerso, uma semana após o ciclone passar.

Perto da margem, os corpos de animais em decomposição, arrastados para cima de árvores, deixam indispostos alguns passageiros.

No destino, dezenas de pessoas já se juntam e esperam, numa pequena ponte cais, prontas a arriscar uma viagem à Beira, deixando o resto da família para trás.

A viagem não é um ato de caridade: quem quiser ir procurar mantimentos tem algumas pequenas embarcações a motor que cobram 300 meticais, queixa-se a população.

Helga Tânia, outra professora, conta à agência Lusa que ficou dois dias no telhado da sua residência à espera de uma ajuda que nunca chegou.

Juntamente com os seus dois irmãos enfrentou a água e percorreu perto de 12 quilómetros até ali, à ponte cais da vila, mas, para sua frustração, as embarcações locais que fazem a viagem até à Beira exigem um pagamento.

“Nós não temos dinheiro”, frisou a professora primária, que perdeu tudo e que, mesmo que queira, não consegue ir procurar mantimentos à cidade.

À medida que as águas descem, as pessoas dispersas pelas zonas à tona em Búzi lavam-se e bebem da mesma água do rio.

O ativista moçambicano da Cruz Vermelha Fernando Alberto continua a tentar salvar vidas sozinho, descrevendo a situação como caótica.

“A população de Búzi está mal”, desabafa, apontando a purificação da água como prioridade.

O super-homem Hélder Fazenda já reencontrou a família, mas o próximo reforço de mantimentos é uma incógnita, como quase tudo o que o futuro reserva.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)