Vinho

O guia de piqueniques que vai querer decorar para inaugurar a Primavera e em todos eles brindar com Periquita

131

Se há coisa que não passa de moda são os piqueniques. Mal o sol espreita, os jardins enchem-se de gente, envolvida nesta atividade universal que areja as ideias e promove a boa disposição.

Os piqueniques são, talvez, tão antigos quanto a própria Humanidade. A nossa condição de nómadas assim o determinou inicialmente. Mas, cedo, incorporámos esta prática nos nossos hábitos culturais, rituais e sociais, em comunidades por todo o mundo. Mais romântico ou mais abrangente, o facto é que, fazer uma refeição num ambiente mais bucólico, renova energias, reforça os laços e pode até ajudar a dar novas perspetivas a velhos problemas. Resumindo e concluindo: de vez em quando, pegue na lancheira, reúna a família e amigos e rume para um qualquer espaço arborizado. Se o médico ainda não fez semelhante recomendação, já deveria ter feito. Palavra de um leigo! O mesmo profissional poderá (deverá, dizemos nós) já ter aproveitado para recomendar que acrescente um copo de vinho ao menu. Num estudo orientado por cientistas da Universidade Ben-Gurion (Israel) ficou confirmado que um copo de vinho tinto ajuda a aumentar os níveis de colesterol bom (HDL) em pessoas com Diabetes tipo 2 e ajuda a ter melhores noites de sono. E se este copo for um Periquita, bebido em excelente companhia e num local com uma vista invejável, o bem que faz à sua saúde aumentará exponencialmente.

É claro que pode não pensar muito, pegar numa sanduíche e numa água e sentar-se  ver o mar. “Isto já é um piquenique?”, perguntará. “É sim, senhor!”, responderemos. Mas suba um pouco a fasquia, pondere sobre o que levar, como escolher o local e de que outros adereços se deve acompanhar. Terá uma experiência mais completa e com maior probabilidade de repetição.

Ponto 1: “All Aboard”

Um piquenique é o tipo de atividade que encaixa todos os membros da família e todos os tipos de amizade. No caso de levar elementos mais pequenos, a segurança será um ponto a ter em atenção: defina os limites da sua aventura exploratória e garanta que não há acesso a lagos ou piscinas, sem a supervisão de um adulto. Também a pensar nas crianças, escolha um local onde não falte uma casa-de-banho, nem espaços com sombras.

Ponto 2: Não é campo, é “country chic”

Coloque na lista uma manta ou toalha, almofadas e, eventualmente, cadeiras (para aqueles a quem sentar no chão implica uma dificuldade acrescida na altura de se levantar). Chapéus, protetor solar e repelente para os mais sensíveis, não deverão faltar, assim como um “kit” de primeiros socorros e sacos do lixo.

O conforto do paladar e a estética da experiência também devem estar assegurados. Se a deslocação tiver sido feita de carro, não há porque não levar a paramenta de casa: facas que cortam a sério, pratos que não dobram e copos que promovem a degustação de um vinho Periquita como deve ser. Mas, se o itinerário tiver compreendido alguns quilómetros a pé, de bicicleta ou de transporte público, talvez faça sentido pensar em soluções mais leves, mas amigas do ambiente. Há pratos e copos recicláveis ou mesmo biodegradáveis. Vale a pena explorar as alternativas à venda no mercado, que já permitem ser exigente na escolha da cor e do formato. Pode igualmente surpreender os convivas com alguns toques mais sofisticados, como um saca-rolhas que não faz espalhafato ao abrir a garrafa, mas antes cumpre a sua função de forma elegante, possibilitando ainda a conservação do sabor do vinho, mesmo que a garrafa não seja bebida até ao fim. Trata-se de um aparelho que, através de uma agulha com gás, perfura as rolhas de cortiça. Desta forma, não a danifica e faz com que o vinho mantenha todas as suas características intactas – do princípio ao fim. Vai fazer um figurão. E ainda pode juntar um arejador de vinho, que ajuda a servir o vinho sem desperdiçar gotas na toalha.

Ponto 3: O destino? Está nas suas mãos

Mesmo na cidade, existem alguns parques que poderão ser um excelente local para fazer um piquenique. Sobretudo, porque poderá ser uma forma de estimular o exercício e não poluir o ambiente, quer seja acedendo ao local a pé, de bicicleta ou trotinete. Ainda no que diz respeito à poupança, coloque a hipótese de escolher um transporte público menos usual para a maioria das pessoas, como o barco ou o comboio ou, então, combine boleias: não só é mais divertido (a festa começa logo na partida), como mais sustentável.

Parta à descoberta:

LISBOA E ARREDORES

Lagoa Azul (Sintra)
Sintra tem um encanto próprio, mas a Lagoa Azul parece personificar todo esse charme, proporcionando tardes de absoluto prazer nas margens da Lagoa, debaixo da sombra de árvores frondosas.
EN9, Lagoa Azul (perto da Penha Longa)
Jardim do Rio (Ginjal)
Com acesso a pé ou a partir do elevador da Boca do Vento, este é um jardim que oferece uma vista extraordinária de Lisboa, a partir do margem sul. Sem proteções no acesso ao rio, devem ser tomados cuidados extra, no caso de levar crianças.
Rua do Ginjal, Almada
Parque da Cerca da Graça (Lisboa)
Está situado no interior da cerca do antigo convento da Graça (hoje ocupado pela Guarda Nacional Republicana). Tem quiosques, parque infantil e uma vista do rio que é preciso conhecer.
Calçada do Monte, freguesia de São Vicente

NORTE E CENTRO

Parque de Lazer do Canedo
Acompanhe o rio Tâmega até o lugar do Areal, em Celorico de Basto. Junto à margem, encontra um parque de merendas com um parque infantil. Daqui pode partir para uma pequena passeata, apreciar o som da água a correr e de toda a fauna e flora que a acompanha. A vista é extraordinária, e o passeio inesquecível.
Largo do Areal, Celorico de Basto, Braga

SUL

Barragem do Alqueva. Aldeia da Estrela
Propomos aqui algo um pouco diferente: visitar a zona do Alqueva e escolher uma das 440 ilhas onde prefere parar e piquenicar. Alugue um barco e percorra as águas da barragem. A Aldeia da Estrela fica numa península rodeada pelo Alqueva, mas há outras localidades que também merecem visita. Aventure-se!

Ponto 4: O que fazer quando nem todos querem meditar

Há famílias para quem deitar sobre a relva quente e olhar para os ramos que se agitam, ora com a brisa, ora com os pássaros que fazem ali a sua casa, é o que procuram neste tipo de programas. Para outras, esta é a melhor altura para organizar jogos de bola, da barra do lenço, da apanhada, saltar à corda e brincar às escondidas. Se se encaixa melhor neste segundo conjunto, faça uma lista dos jogos preferidos e não se esqueça deles em casa. Um baralho de cartas ou um livro, serão igualmente bem vindos – mesmo que os restantes membros da comitiva ainda não o saibam.

De forma a aproveitar o contacto com a natureza, pode promover atividades como o desenho à vista de uma planta ou árvore, o jogo da mímica, imitando o comportamento das aves ou insetos que vivem num parque, ou organizar um concurso fotográfico, sob o tema da flora e fauna de um local como aquele em que se encontram.

Ponto 5: Recordar é reviver

Vale a pena levar uma máquina fotográfica ou garantir que um dos telefones tem uma câmara de qualidade. A ideia não é estar constantemente “ligado” ou não parar de fazer fotos, mas sim, registar alguns dos momentos, que sabemos que irão ser recordados sempre com carinho.

Ponto 6: Ah! A comida

Garantir que todos estão felizes, passa também por satisfazer uma das necessidades mais primárias: a fome. Opte por alimentos que possam ser consumidos frios e sem molhos (para não se estragarem com o calor). Quanto mais simples melhor: fruta fresca, vários tipos de pão, quiches ou empadas. As saladas, com tempero à parte e doces frescos, como a gelatina, são alternativas saudáveis e pouco pesadas. Procure separar o lixo, evite o plástico descartável e use guardanapos de pano. Pequenos gestos que fazem com que a sua pegada ecológica diminua.

Um pormenor cosmopolita:

Para dar cor e um toque de sofisticação ao seu piquenique, faça um exercício de harmonização entre os vinhos Periquita e a ementa escolhida, isto é, procure que o vinho potencie os aromas dos pratos escolhidos, e que estes também tragam ao de cima o que a bebida escolhida tem de melhor. Para garantir que os prova à temperatura correta, invista num termómetro digital, pois é muito preciso e prático de carregar.

Ajudamos com algumas propostas:

  • Periquita Tinto

Pegue numa seleção de queijos de sabor intenso – afinal de contas, está ao ar livre e mesmo os espíritos mais sensíveis não se poderão queixar de odores gastronómicos mais fortes – e sirva com este vinho suave e de sabor frutado, a uma temperatura de 12ºC .

  • Periquita Branco

Atreva-se a fazer uma ceviche de atum, que acompanha de forma magnífica o Periquita Branco, frutado, macio e com boa acidez – e que deve ser consumido a 11/12ºC.

  • Periquita Rosé

Acompanhe bem fresco (10ºC) com uma salada de laranja e beterraba, que sabe muito bem nestes dias de sol e de campo, e que casa muito bem com o paladar frutado e com boa acidez deste Rosé.

Ponto 7: passa-ao-outro-mas-também-ao-mesmo

Um piquenique é o tipo de atividade que pode envolver todas as gerações da família. Promove a conversa, partilha de histórias e construção de novos capítulos na seção de aventuras familiares. Não precisa de fazer nenhum discurso, mas não deixe passar em branco a oportunidade de reforçar os laços com todos os presentes, e faça um brinde às boas ideias e aos dias felizes. Para isso, pode optar, quer por um Periquita Branco ou Rosé fresco – que só sairão da sombra e da manga refrigeradora para serem servidos –, quer por um Periquita Tinto – que não deve ser deixado ao sol, mas que aguenta bem um dia de primavera ou verão, sem perder as suas qualidades. Na realidade, estes são três vinhos que entendem bem o valor da família e da tradição e que nos ajudam a celebrar a vida há 169 anos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)