Rádio Observador

Concertos

Carla Bley, Joan as Police Woman, Kassin e Marc Ribot passam por Espinho até junho

No total o Auditório de Espinho vai receber oito concertos até 14 junho, no âmbito de uma programação que combina jazz, indie rock, pop, folk e também música clássica.

O americano Marc Ribot apresentar-se-á a solo a 20 de abril, semanas antes de atuar no Portalegre JazzFest

JAVIER ETXEZARRETA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O guitarrista Marc Ribot, a pianista Carla Bley e os cantores Kassin e Joan as Police Woman são alguns dos artistas que atuarão no Auditório de Espinho até junho, revelou esta sexta-feira a direção dessa sala de espetáculos.

No total, são oito os concertos que o recinto gerido pela Academia de Música de Espinho propõe até 14 de junho, no âmbito de uma programação que combina jazz, indie rock, pop, folk e também música clássica.

O americano Marc Ribot, descrito como “um dos guitarristas mais singulares e enigmáticos dos últimos 30 anos”, apresentar-se-á a solo a 20 de abril, semanas antes de atuar no Portalegre JazzFest.

Já a americana Carla Bley, apontada pela direção do auditório como “uma figura fundamental do jazz contemporâneo”, subirá ao palco a 18 de maio e, depois de em outubro ter cancelado dois concertos em Portugal por motivos de saúde, atuará agora com o baixista Steve Swallow e o saxofonista Andy Shepard.

A 25 de maio chega, por sua vez, Alexandre Kassin, que já foi apontado como “o Brian Eno do Brasil” pelo seu trabalho de produção com artistas como Caetano Veloso, Los Hermanos, Vanessa da Mata, Adriana Calcanhotto e Gal Costa. A Portugal trará o seu novo disco, que cruza samba, ritmos latinos, pop, soul e funk.

Joan Wasser, mais conhecida como Joan As Police Woman, dará a ouvir a 14 de junho a sua primeira antologia, baseada em “15 admiráveis anos de escrita de canções”, e deverá também antecipar um próximo álbum dedicado a versões.

Quanto aos outros concertos previstos, um deles é o do cantor Tom Brosseau, que a 03 de maio se exibirá no Auditório de Espinho com aquela que é apontada como “uma das mais surpreendentes vozes da folk” contemporânea.

Segue-se, a 11 de maio, “o fascínio e a essência” da portuguesa Lula Pena, cantora, guitarrista e compositora. Nesse espetáculo dará a ouvir o seu mais recente disco, “Archivo Pittoresco”, lançado em 2017 pela editora belga Crammed Discs.

O palco passará depois ao grupo Alright Gandhi, que reúne músicos do Reino Unido, Itália, Estados Unidos e Alemanha. A Espinho esse coletivo leva a 24 de maio não apenas “uma sonoridade acústica experimental de ritmos não convencionais”, mas também uma nacionalidade adicional: a portuguesa, já que o grupo atuará com o ensemble Projecto Benjamim, constituído por alunos do Curso Básico da Escola Profissional de Música de Espinho.

Quanto às propostas orquestrais, são dois os concertos incluídos na programação: a 17 de maio, o da Orquestra Clássica de Espinho, que, sob a direção de Pedro Neves, apresentará Jovens Solistas da Escola Profissional de Música de Espinho selecionados para o efeito por concurso; e, a 01 de junho, a Orquestra de Jazz de Espinho, que, conduzida por Daniel Dias e Paulo Perfeito, partilhará o palco com Eduardo Cardinho, nos solos de vibrafone, e Miguel Moreira, nos de guitarra.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)