Lisboa

Pintora Vieira da Silva vai ter “exposição imersiva” com 35 obras em Lisboa

Trata-se da 9.ª edição de "A Arte Chegou ao Colombo" e terá 35 obras da pintora Maria Helena Vieira da Silva em suporte digital. As obras vão ser alvo de animações, efeitos imersivos e desconstruções.

Mais conhecida pela pintura, Maria Helena Vieira da Silva teve um percurso artístico que também passou arte pública, trabalhos de cenografia, tapeçaria, vitral e ilustração

JOAO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Uma exposição em suporte digital com 35 obras da pintora Maria Helena Vieira da Silva, que pretende proporcionar uma experiência imersiva aos espetadores, vai ser inaugurada em junho, no Centro Comercial Colombo, em Lisboa, foi esta quinta-feira anunciado.

Trata-se da 9.ª edição de “A Arte Chegou ao Colombo”, que irá homenagear Vieira Silva (1908-1992), uma das mais importantes pintoras portuguesas, com uma exposição na praça central do centro de 26 de junho a 26 de agosto, segundo a organização.

De acordo com os responsáveis pelo projeto do Centro omercial Colombo, em parceria com a Fundação Arpad Szenes Vieira da Silva – cujo museu celebra 25 anos ao longo de 2019 -, as obras da pintora vão ser alvo de animações, efeitos imersivos e desconstruções para aproximar os visitantes às obras da pintora.

O projeto digital está a cargo dos Óskar & Gaspar, um coletivo de profissionais portugueses de artes visuais e multimédia, especializado nas áreas de mapeamento de vídeo, projeção 3D e design de palco.

O projeto de arquitetura será da responsabilidade da plataforma multidisciplinar KWY.studio, um coletivo que trabalha numa lógica colaborativa entre várias disciplinas, como é o caso desta iniciativa.

Mais conhecida pela pintura, Maria Helena Vieira da Silva teve um percurso artístico que também passou arte pública, trabalhos de cenografia, tapeçaria, vitral e ilustração.

Em 2013, a União Astronómica Internacional homenageou a artista plástica ao dar o seu nome a uma cratera em Mercúrio.

A iniciativa “A Arte chegou ao Colombo” foi lançada em 2011 e contou, no primeiro ano de arranque, com a parceria do Museu Coleção Berardo, na exposição dos trabalhos de quatro artistas nacionais — Joana Vasconcelos, Miguel Palma, Susana Anágua e Isaque Pinheiro.

Seguiram-se depois o Museu Nacional de Arte Antiga (2012), a exposição “Andy Warhol — Icons” (2013), a instalação interativa “The Pool”, da artista norte-americana Jen Lewin (2014), e a “A Divina Comédia de Salvador Dalí” (2015).

A praça central do Colombo recebeu ainda a exposição de fotografia Terry O’Neill — “Faces of the Stars”, “O Mundo Fantástico de Paula Rego”, que recebeu 224.500 visitantes, em três meses, e no ano passado, foi a vez de “Roy Lichtenstein e a Pop Art”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)