Rádio Observador

Ciência

Morreu Sydney Brenner, prémio Nobel da Medicina 2002, pioneiro da biologia molecular que trabalhou com o IGC

De 1998 a 2012, Sydney Brenner foi presidente do conselho científico do Instituto Gulbenkian de Ciência (IGC), dedicado à investigação biológica e biomédica.

Sydney Brenner foi distinguido, em 2009, pelo ex-Presidente da República Aníbal Cavaco Silva com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, condecoração destinada à ciência e cultura.

Salk Institute For Biological Studies/Getty Images

Autor
  • Agência Lusa

Sydney Brenner, prémio Nobel da Medicina 2002 morreu esta sexta-feira, aos 93 anos, em Singapura, cidade onde vivia, informou a Fundação Calouste Gulbenkian em comunicado.

O biólogo sul-africano, pioneiro na área da biologia molecular, foi galardoado com o Prémio Nobel em 2002, juntamente com o britânico John Sulston e com o norte-americano H. Robert Horvitz, em reconhecimento pelas suas descobertas no campo da “regulação genética do desenvolvimento de órgãos e da morte programada de células”.

De 1998 a 2012, Sydney Brenner foi presidente do conselho científico do Instituto Gulbenkian da Ciência (IGC), dedicado à investigação biológica e biomédica. Até 2015, desempenhou funções na presidência do Comité de Gestão do IGC.

Segundo a Fundação Calouste Gulbenkian, Sydney Brenner “teve um papel fundamental no desenvolvimento da instituição e na internacionalização da ciência portuguesa”. Por esse motivo, em 2009, foi distinguido pelo ex-Presidente da República Aníbal Cavaco Silva com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique, condecoração destinada à ciência e cultura.

A diretora do Instituto Gulbenkian da Ciência, Mónica Bettencourt Dias, citada no comunicado, descreve Sydney Brenner como “um cientista brilhante” que “continuava a impressionar” quem o ouvia.

Mónica Bettencourt Dias acrescenta que foi “uma sorte imensa tê-lo como pilar essencial de apoio ao desenvolvimento e consolidação do IGC”, louvando Sydney Brenner pelo seu apoio à direção, estudantes e investigadores do instituto.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia

A Cortina de Ferro volta a fechar-se? /premium

José Milhazes
249

Os cientistas estrangeiros, quando de visitas a organizações científicas russas, só poderão utilizar gravadores e máquinas copiadoras “nos casos previstos nos acordos internacionais".

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)