Rádio Observador

Ministério Da Justiça

Governo quer alargar Espaço Óbito a várias cidades

O novo balcão Espaço Óbito foi inaugurado em Coimbra e tem como objetivo facilitar questões e serviços relacionadas com a morte de familiares. Lisboa será a próxima cidade a receber este serviço.

Francisca Van Dunem quer administração pública mais próxima dos cidadãos

JOSÉ COELHO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, realçou esta terça-feira, em Coimbra, a importância do novo balcão Espaço Óbito, tendo em conta o “papel central” da Justiça na vida das pessoas do nascimento à morte.

Com a inauguração do Espaço Óbito, a funcionar desde 14 de março na Loja do Cidadão de Coimbra, o Governo reforça o processo para uma administração pública “mais humana e simplificada”, mas também mais próxima dos cidadãos.

“Os governos existem para as pessoas, com as pessoas e a trabalhar para as pessoas”, afirmou Francisca Van Dunem, numa cerimónia em que também intervieram o secretário de Estado Adjunto e da Modernização Administrativa, Luís Goes Pinheiro, e a secretária de Estado da Justiça, Anabela Pedroso, entre outros responsáveis.

A ministra da Justiça disse que projetos como o Espaço Óbito, que já foi ensaiado em Santo Tirso, “são muito complexos” e envolvem diversas entidades públicas e privadas. “Não basta a tecnologia. O que está em causa é a inovação, quebrar barreiras e ir até ao limite do possível”, acrescentou.

O Governo pretende que o Espaço Óbito venha a ser “estendido a outros pontos do país”, disse Francisca Van Dunem. O próximo balcão onde os cidadãos podem tratar dos assuntos relacionados com a morte de um familiar, sem idas a outras repartições, deverá abrir ao público em Lisboa, no Saldanha, ainda neste semestre.

O primeiro Espaço Óbito da capital “será ainda mais integrado e terá mais serviços disponíveis”, segundo a ministra da Justiça. Na sua opinião, depois de um “processo complexo”, em que também participaram utentes e funcionários do Instituto dos Registos e Notariado (IRN) e das diversas entidades envolvidas, foi possível “chegar a bons resultados” e concretizar “um projeto extremamente virtuoso” que assegura “uma resposta unitária no mesmo espaço”.

Além do IRN, o novo serviço envolve o Banco de Portugal, o Instituto da Segurança Social, a ADSE, a Autoridade Tributária e a Caixa Geral de Aposentações, a que deverão juntar-se no futuro a EDP e os municípios, quanto aos serviços de fornecimento de eletricidade e água, respetivamente, entre outras entidades.

O Espaço Óbito “reúne num único local de atendimento um conjunto de serviços transversais a várias entidades a que é necessário recorrer após a morte de um familiar, tanto da administração pública como privadas”, de acordo com o gabinete da ministra da Justiça.

“Eliminar diferentes momentos de contacto com este tema, num momento em que os cidadãos se encontram fragilizados, resolvendo várias questões e serviços numa única deslocação”, é o principal objetivo do projeto, que será alargado a Lisboa e outras cidades portuguesas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)