Rádio Observador

Viral

Madonna no Alentejo? Como mais uma história do 1 de abril se tornou viral

347

Nasceu de um rumor local, veio a público no 1 de abril e já se propagou. Mas os responsáveis pelo imóvel em que Madonna estaria interessada garantem que a notícia "não tem qualquer fundamento".

Madonna anda nas bocas do mundo. O último rumor local é de que comprou uma herdade no Alto Alentejo

AFP/Getty Images

Há mais de um ano que Madonna é a protagonista dos mais mirabolantes rumores. Depois de se ter especulado sobre a sua saída do país, ainda antes de Basílio Horta lhe ter partido o coração e de a cantora ter vindo acusar Portugal de ingratidão, o 1º de abril parece ter sido o dia porque todos esperavam para soltar a língua. O jornal O Minho, por exemplo, revelou-se altamente imaginativo e mentiu descaradamente (ainda que legitimado pela data), dizendo que Madonna tencionava mudar-se para Ponte de Lima, pôr o filho a jogar no Sporting Clube de Braga e conhecer Quim Barreiros.

No mesmo dia, o jornal Alto Alentejo dirigia o foco para sul, referindo que Madonna poderia ser a grande atração da próxima edição do Horse Summit em Alter e que a cantora norte-americana estaria a sondar uma herdade no concelho de Gavião. Apesar de não confirmada, há uma boa razão para que a história se tenha transformado em “notícia” em pleno Dia das Mentiras: há meses que o boato de que a cantora se mudaria para ali circula na terra. No entanto, e contactada pelo Observador, a empresa responsável pela exploração da herdade em questão, a Casa Anadia, garante que a notícia “não tem qualquer fundamento”.

Herdade do Polvorão, no concelho de Gavião, distrito de Portalegre

Facto é que nove dias depois de uma inocente brincadeira, a história ganhou esta quarta-feira novas proporções quando o Jornal de Notícias lançou um última hora fazendo referência à suposta herdade na “zona de Gavião” (distrito de Portalegre) que “pertenceu ao empresário Miguel Pais do Amaral”. A Herdade do Polvorão, propriedade em causa, consta como sede da Casa de Anadia, uma marca produtora de azeites e vinhos, com ligação histórica à família dos condes d’Anadia e de Alferrarede (Miguel Pais do Amaral é atualmente IV Conde de Alferrarede). Seria nesta quinta que, alegadamente, Madonna estaria de olho — em bom rigor falamos de uma ruína, em estado inabitável, e não de um palacete, como a publicação descreve.

Contactada pelo Observador, a Câmara Municipal de Gavião afirmou não ter qualquer informação relativa a uma hipotética transação. Em outubro do ano passado, uma área aproximada de 2.500 hectares (na qual a herdade estaria incluída) era notícia na mesma publicação regional, o jornal Alto Alentejo. “Em breve deverá ter início um elevando investimento agro-florestal no Polvorão e terrenos anexos”, pode ler-se. “Os terrenos acabam de mudar de mãos em termos formais, passando a ser propriedade de uma entidade bancária por um valor superior a três milhões de euros […]”.

Apesar dos rumores, não existem evidências de que Madonna tenha estado na região. Atualmente, os hectares em causa estão reservados a práticas agropecuárias, com gado bovino, zonas de olival e de sobreiros. Os terrenos continuam hoje na posse da mesma entidade bancária e são exploradas pela Casa Anadia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)