Rádio Observador

Angola

Mais de 200 mortos devido às chuvas em Angola desde agosto

101 das mortes ocorreram por afogamento e as restantes oito por soterramento após o deslizamento de terras, tendo as chuvas provocado ainda 350 feridos e afetado 23.784 famílias.

O balanço provisório oficial da época das chuvas em Angola, entre 15 de agosto de 2018 e 02 deste mês, dá conta da morte de 209 pessoas, 100 delas por descargas elétricas, segundo dados do Governo divulgados esta quarta-feira.

O relatório, a que a agência Lusa teve acesso, foi analisado numa reunião da comissão de secretários de Estado do Governo de Angola, no âmbito do Quadro de Recuperação Pós-Seca 2018/2022 e da Época das Chuvas iniciada em agosto de 2018.

Segundo o documento, 101 das mortes ocorreram por afogamento e as restantes oito por soterramento após o deslizamento de terras, tendo as chuvas provocado ainda 350 feridos e afetado 23.784 famílias, correspondentes a 114.463 pessoas.

As fortes chuvas que foram caindo em Angola desde agosto de 2018 destruíram também 3.829 residências, danificaram outras 6.038 e inundaram 13.897. A força das águas destruiu também 85 igrejas (inundou 16), 98 escolas (34), nove centros médicos (um danificado).

Segundo o relatório, as chuvas e as inundações provocaram também a morte de 137 cabeças de gado, a destruição de 7.553 hectares de lavras, de quatro pontes rodoviárias. No documento, as autoridades angolanas estimam os prejuízos em quase 3.000 milhões de kwanzas (8,3 milhões de euros), destacando que a província do Huambo foi a mais afetada (47 mortes), seguida da de Benguela (38).

Nas recomendações, o relatório da Comissão salienta a necessidade de se criar um “mecanismo único de coordenação” da resposta institucional, devendo obter dados em tempo real, “afastando a dispersão e a pluralidade de órgãos que realizam tarefas semelhantes”. Por outro lado, o documento defende que seja ampliada a cobertura dos sistemas de pré-aviso contra as cheias, inundações e alterações climáticas e uma campanha de sensibilização “mais eficaz” sobre o fenómeno das descargas atmosféricas nas comunidades rurais.

Governo angolano admite que resposta ao mau tempo tem sido negativa

O Governo angolano admitiu, entretanto, que a resposta aos fenómenos atmosféricos relacionados com as fortes chuvas e consequentes inundações em Angola “não se tem revelado oportuna e suficiente”.

Ao abrir, em Luanda, a Reunião da Comissão de Secretários de Estado e Representantes da Sociedade Civil Angolana, no âmbito do Quadro de Recuperação Pós-Seca 2018/2022 e à Época das Chuvas ainda em curso, Salvador Rodrigues lamentou a desadequada “prestação de serviços básicos e de socorro, por falta de meios essenciais, incluindo muitas vezes a exiguidade de verbas”.

Embora tenhamos um plano nacional de preparação, contingência, resposta e recuperação de calamidades e desastres, a nossa intervenção no terreno não se tem revelado oportuna e suficiente”, sublinhou o secretário de Estado do Interior para o Asseguramento Técnico de Angola.

Salvador Rodrigues lembrou que os resultados iniciais abarcam dados apenas até 2 deste mês, pelo que não está incluída informação sobre as fortes chuvas que caíram ao longo da semana, e que causaram mais vítimas mortais, com destaque para as províncias de Benguela, Luanda, Huíla, Bié, Cabinda e Uíge.

“Neste contexto, tendo em conta a degradante situação social em que se encontram as populações afetadas, e não existindo stock suficiente de meios e bens para atenuar o sofrimento, é urgente e necessário que a Proteção Civil se preocupe e se debruce sobre o assunto”, avisou Salvador Rodrigues.

Para o governante angolano, o Serviço Nacional de Proteção Civil e Bombeiros (SNPCB) tem de encontrar forma de mobilizar atempadamente meios para socorrer as vítimas, “recorrendo à prestimosa atenção do Ministério das Finanças na disponibilização de recursos paria a implementação de ações imediatas de resposta humanitária e reposição das condições básicas de vida daquelas populações”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)