Há cerca de um ano, Josh Bratchley fez parte da equipa que conseguiu resgatar 12 crianças e o seu treinador de uma gruta em Tham Luang, na Tailândia, numa operação bastante complexa. Esta quarta-feira, foi a vez de o mergulhador britânico ter de ser resgatado, depois de ficar preso numa gruta inundada no Tennessee, Estados Unidos, numa altura em que explorava o local com mais quatro mergulhadores, conta a CNN.

Na terça-feira, quando o grupo de profissionais estava a abandonar a gruta, reparou que Bratchley estava desaparecido e chamou os meios de socorro. Foi nesse momento que vários mergulhadores norte-americanos foram chamados para ajudar no “resgate altamente técnico”, uma vez que este tipo de grutas traz vários perigos por ter paredes baixas e arenosas e poucas bolsas de ar fora de água.

Na quarta-feira à noite, Bratchley foi finalmente encontrado e retirado da gruta com sucesso. Estava acordado, alerta e dentro de uma das bolsas de ar, referiu Edd Sorenson, um dos mergulhadores que fez parte da equipa de resgate, acrescentando que “esta era uma caverna muito pequena e desagradável” e que ficou surpreendido por encontrar o britânico com vida.

Já Derek Woolbright, porta-voz da EMA (Agência de Gestão de Emergência), revelou o primeiro e único pedido que o mergulhador fez quando foi encontrado: “O único desejo que ele tinha era comer pizza”. Todas as autoridades destacaram a calma e a força mental de Bratchley como aspetos fulcrais para a sua sobrevivência.

Em julho do ano passado, Josh Bratchley fez parte da equipa que salvou o grupo que ficou preso numa gruta na Tailândia. As chuvas torrenciais provocaram uma inundação em algumas câmaras da gruta, não permitindo assim que o grupo saísse pelo próprio pé. O incidente mobilizou para o terreno várias equipas de socorristas (entre os quais mergulhadores internacionais e tailandeses, soldados, polícias, médicos e voluntários), bem como uma série de órgãos de comunicação social internacionais.