Rádio Observador

Sporting de Braga

Abel Ferreira alerta para a vontade do Feirense de voltar a ganhar

O treinador Abel Ferreira advertiu que o Feirense, último classificado da I Liga, com apenas duas vitórias, vai querer ganhar mais do que nunca e pediu aos futebolistas do Braga para estarem "alerta".

HUGO DELGADO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O treinador Abel Ferreira advertiu esta sexta-feira que o Feirense, último classificado da I Liga, com apenas duas vitórias, vai querer ganhar mais do que nunca e pediu, por isso, aos futebolistas do Sporting de Braga para estarem “alerta”.

“Analisámos os jogos do Feirense com os dois primeiros [Benfica e FC Porto] e não vou falar como os ganharam, mas vimos as dificuldades que tiveram. Esperamos grandes dificuldades, mas todos os jogos são uma oportunidade para crescer e melhorar”, disse o técnico, na antevisão à deslocação ao terreno do Feirense, no sábado, para a 30.ª jornada do campeonato.

O Feirense é último classificado, contando apenas com duas vitórias na prova, a última das quais há oito meses (1-0, fora, diante do Vitória de Guimarães) e, também por isso, o técnico espera um adversário que, “mais do que nunca, vai querer ganhar”.

“Temos que ser fiéis à nossa identidade e forma de jogar. Não faço destrinça em relação aos nossos adversários, temos que os respeitar muito e igualar a sua intensidade para estarmos mais próximos de os vencer”, disse, adiantando que Dyego Sousa é baixa para o jogo, devido a lesão.

Questionado sobre a possibilidade de não conseguir ficar em terceiro lugar, depois de ter tido sete pontos de vantagem sobre o Sporting e agora estar a três de distância dos ‘leões’, Abel Ferreira disse que o balanço será feito no fim, mas valorizou a época dos minhotos.

“Fomos à meia-final da Taça de Portugal com o FC Porto, à meia-final da Taça da Liga e perdemos como vocês sabem e agora estamos a lutar até ao fim pelo terceiro lugar. Há qualidade no trabalho e no jogo, valorização de jogadores e da equipa e, aconteça o que acontecer, essa imagem de marca está lá”, disse.

Questionado sobre se esperava mais de Fábio Martins, Abel Ferreira afirmou que “esperava mais de todos os jogadores”.

“Somos exigentes. O Fábio Martins teve uma lesão e para o Murilo estar a jogar, alguém não vai jogar. O Murilo dá outras nuances à equipa, não é um lateral esquerdo, é um ala esquerdo, mas pode jogar à frente também, sabe o que quer e o que faz, teve a paciência de esperar pela sua oportunidade”, argumentou.

Instado a comentar as eliminações de FC Porto e Benfica das competições europeias desta semana, fazendo um paralelismo com as desigualdades entre os ‘grandes’ do futebol português e as restantes equipas, como já fez em diversas alturas, Abel Ferreira disse que importa estudar o fenómeno.

“Poucos sabem, mas sou licenciado em educação física, podiam chamar-me professor Abel. Não faço outra coisa senão querer ser melhor todos os dias, como homem e como treinador, em melhorar os meus jogadores e em estudar o fenómeno [do futebol], o acessório ponho de lado”, disse.

O treinador frisou que o futebol português está a transformar-se em algo em que não se revê, lembrando que “Bernardo Silva, melhor jogador português da atualidade, juntamente com Cristiano Ronaldo, disse recentemente que há muito tempo que o futebol português ultrapassou os limites”.

O Sporting de Braga, quarto classificado da I Liga, com 61 pontos, e o Feirense, 18.º e último, com 15, defrontam-se no sábado, às 18h00, no Estádio Marcolino Castro, em Santa Maria da Feira, em jogo da 30.ª jornada da prova.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)