Nissan

Nissan recolhe veículos de passageiros do modelo Qashqai produzidos em 2017

A Nissan vai recolher cerca de 115 veículos do modelo Qashqai para a substituição de uma etiqueta que contém informações incorretas do peso máximo combinado para veículos com transmissão manual e CVT.

A DGC no desempenho das suas funções, enquanto Ponto de Contacto nacional do Sistema RAPEX transmitiu estas informações às autoridades nacionais de fiscalização do mercado e à Comissão Europeia

JULIEN WARNAND/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O representante da marca Nissan em Portugal lançou uma campanha de recolha de mais de uma centena de veículos de passageiros do modelo Qashqai, produzidos entre junho e outubro de 2017, revela um alerta da Direção-Geral de Consumidor (DGC).

A razão da recolha dos veículos é a substituição de uma etiqueta que contém informações incorretas do peso máximo combinado (GCW) para veículos com transmissão manual e CVT, dado que, “nesta condição, o veículo pode registar uma perda de capacidade do reboque (veículos com transmissão manual) ou exceder a capacidade do reboque (veículos com transmissão CVT)”.

“Os proprietários dos cerca de 115 veículos existentes no mercado nacional são contactados através de carta, registada com aviso de receção”, lê-se no aviso publicado na sexta-feira na página de internet daquela direção-geral.

A DGC no desempenho das suas funções, enquanto Ponto de Contacto nacional do Sistema RAPEX (Sistema Europeu de Alerta Rápido para produtos perigosos, não alimentares), transmitiu estas informações às autoridades nacionais de fiscalização do mercado e à Comissão Europeia.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)