Rádio Observador

Ministério Administração Interna

Ministério da Administração Interna garante que Portugal “não perdeu um cêntimo” do programa de apoio aos refugiados

O Tribunal de Contas refere erros financeiros no programa de quase 42 mil euros. Eduardo Cabrita assegura que Portugal não perdeu dinheiro e relembra que somos o "país modelo de refugiados".

As declarações de Cabrita surgiram depois de inaugurar o Salão Internacional de Proteção, Segurança e Defesa - SEGUREX 2019

TIAGO PETINGA/LUSA

O ministro da Administração Interna garantiu esta quarta-feira que Portugal “não perdeu um cêntimo” do Programa Nacional do Fundo para o Asilo, Migração e Integração, considerando que “é uma fotografia do passado” a auditoria do Tribunal de Contas.

Um relatório de uma auditoria do Tribunal de Contas (TdC) ao Programa Nacional do Fundo para o Asilo, Migração e Integração (FAMI), refere que a Comissão Europeia ameaçou retirar o financiamento ao programa por causa da baixa taxa de execução, uma perda de 16,7 milhões de euros para Portugal. O documento revela que em julho de 2018 a taxa de execução era de “apenas 25%”.

“Esse relatório reflete uma fotografia que é assim que estava lá no passado. Os dados atualizados que hoje temos é que 83% das dotações estão aprovadas e 41% da despesa está executada. Até ao momento posso confirmá-lo: não perdemos um único cêntimo”, precisou Eduardo Cabrita. O ministro assumiu também o compromisso que Portugal fará “tudo para que assim continue a ser” e reafirmou “o empenho de Portugal nesta área decisiva na defesa dos valores europeus”.

O ministro falava aos jornalistas depois de ter presidido à inauguração e feito uma visita ao Salão Internacional de Proteção, Segurança e Defesa — SEGUREX 2019, exposição onde estão presentes os vários serviços e polícias tutelados pelo Ministério da Administração Interna (MAI).

O TdC detetou também erros financeiros de quase 42 mil euros no Programa Nacional do Fundo para o Asilo, Migração e Integração, nomeadamente no SEF com diferenças não explicadas entre valores recebidos e pagos. De acordo com o relatório da auditoria, foram detetados erros financeiros nos valores recebidos e pagos pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras em relação às operações de reinstalação, transferência e recolocação de refugiados, tendo o TdC dado um prazo de 30 dias ao SEF para explicar as diferenças, mas, segundo aquele tribunal, ainda não foi dada qualquer resposta.

Questionado sobre esta questão relacionada com o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras, o ministro respondeu que “o SEF deu toda a resposta”. “Estamos a falar de 89 milhões de euros. Estamos a falar da menor taxa de lapsos, provavelmente em todos os programas de financiamento europeu”, frisou.

Eduardo Cabrita sublinhou também que Portugal “é reconhecido pela Comissão Europeia como país modelo de refugiados”, destacando a presença do país em todos os programas de reinstalação e recolocação de refugiados, bem como em programas voluntários de cooperação bilateral com a Grécia e situações de apoio a refugiados em navios à deriva no Mediterrâneo em cooperação com a União Europeia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições

Eis o social - ismo

Luís Areias

O mais grave é que, tipicamente, o Estado não só não se preocupa em economizar, pois os recursos não foram ganhos com suor mas sim tirados coercivamente aos contribuintes, como nunca maximiza o valor.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)