Nova Zelândia

Nova Zelândia apresenta proposta de lei para se tornar neutra em carbono até 2050

O governo neozelandês apresentou uma proposta que contribui para o objetivo de manter o aquecimento climático abaixo dos 15 graus e que prevê uma redução de 10% na produção de metano até 2024.

Na apresentação da legislação, a líder trabalhista sublinhou que ignorar a questão seria "uma negligência" e "um fardo" para as gerações futuras

FELIPE TRUEBA/EPA

O Governo da Nova Zelândia apresentou esta quarta-feira um projeto de luta contra as alterações climáticas, para tornar o país neutro em carbono até 2050, mas que exclui parcialmente o setor agrícola vital para o país.

“O Governo toma hoje [quarta-feira] medidas históricas sobre as alterações climáticas, o maior desafio que a comunidade internacional e a Nova Zelândia enfrentam”, declarou a primeira-ministra, Jacinda Ardern.

Na apresentação da legislação, a líder trabalhista sublinhou que ignorar a questão seria “uma negligência” e “um fardo” para as gerações futuras.

Este proposta vai permitir à Nova Zelândia contribuir para o objetivo planetário médio de manter o aquecimento climático abaixo dos 1,5 graus celsius em relação aos níveis anteriores ao período da revolução industrial.

As medidas incluem metas diferentes para o metano proveniente da criação de gado, e para todas as outras emissões de gases com efeito de estufa, causadas por transportes, indústrias e geração de eletricidade.

“A agricultura é muito importante para a Nova Zelândia, mas também deve ser parte da solução”, defendeu Ardern, apesar de a legislação não explicar claramente como se pode atingir a neutralidade carbónica até 2050, o que desencadeou as críticas dos ecologistas.

O metano gerado pela criação de gado representa cerca de um terço das emissões de gases com efeito de estufa no país, onde a agricultura é uma atividade fundamental para a economia neozelandesa, sobretudo para as exportações.

O documento, agora publicado, prevê a criação de uma Comissão das Alterações Climáticas para ajudar a Nova Zelândia a atingir este objetivo, através da elaboração de “orçamentos de emissões” quinquenais.

O projeto da primeira-ministra de centro-esquerda vem concretizar uma promessa de campanha do Governo, eleito há 18 meses. O Executivo já prometeu plantar mil milhões de árvores em dez anos e garantir que a rede elétrica funcione inteiramente com energia renovável até 2035.

A proposta de lei, que deve ser votada pelo Parlamento até final do ano, prevê uma redução de 10% na produção de metano até 2024.

O ministro para as Alterações Climáticas neozelandês, James Shaw, afirmou que o Governo “teve em conta os dados científicos” e as preocupações dos industriais para determinar “um objetivo específico para o metano” agro-pecuário.

A federação dos agricultores criticou já a proposta. “Sejamos claros, a única forma de atingir os objetivos propostos é reduzir a produção. Não existem tecnologias mágicas”, declarou o vice-presidente Andrew Hoggard.

“Neste momento, não temos qualquer ideia sobre como atingir as reduções propostas sem abater um número significativo de cabeças de gado”, sublinhou.

O Governo de Ardern declarou que a legislação é “para ser cumprida”, mas a Greenpeace Nova Zelândia afirmou já que o documento não especifica como alcançar os objetivos, o que torna a “legislação inoperacional”

“Estamos perante uma legislação ambiciosa à qual foram arrancados os dentes”, disse o diretor geral da organização não-governal de defesa do ambiente. “Ladra, mas não morde”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)