Rádio Observador

Professores

Rui Rio insiste que não recuou. E acusa: “Primeiro-ministro tem défice de sentido de Estado”

340

Rui Rio insiste que PSD votou sempre da mesma forma em relação aos professores. Culpa Costa por ter propagado uma mentira e por tê-lo feito apenas porque a campanha eleitoral não estava a correr bem.

FERNANDO VELUDO/LUSA

A crise política pré-anunciada já morreu, António Costa já enterrou o machado de guerra, mas Rui Rio ainda quis pôr os pontos nos is. Numa declaração aos jornalistas a partir do Porto, o líder do PSD quis mais uma vez “deixar claro” que “o voto do PSD esta tarde foi totalmente coerente com o que sempre defendeu”, assim como foi coerente com “a matriz social-democratas” e com o perfil do próprio Rui Rio. “Para o PSD e para mim próprio, o equilíbrio financeiro é inegociável. Em todas as instituições pelas quais fui responsável, deixei sempre essas instituições em situação muito melhor”, disse.

O argumento de Rui Rio é este: o PSD sempre defendeu que queria o reconhecimento integral do tempo de serviço, por um lado, e, por outro, sempre defendeu que esse reconhecimento devia ser “acompanhado de uma cláusula de salvaguarda financeira que garantisse o equilíbrio das finanças”. “Na votação na especialidade votámos dessa forma, e hoje no plenário votámos dessa forma”, disse, sublinhando que o único momento em que o documento foi de facto a votação foi esta tarde no plenário. Acontece que, com esta afirmação, Rui Rio desvaloriza o facto de o trabalho parlamentar consistir em duas fases, onde há efetivamente votações: na especialidade, primeiro, os deputados votaram os vários artigos que compõem a proposta, tendo daí resultado um texto comum (que inclui a contagem integral do tempo de serviço, mas não inclui as cláusulas de responsabilidade financeira) que foi hoje votado na íntegra no plenário. Por isso o PSD votou a favor, na especialidade, do artigo sobre a contagem integral do tempo e, esta sexta-feira, na votação final, tenha votado contra esse mesmo artigo por não vir articulado com a cláusula de responsabilidade financeira.

Ainda questionado sobre o papel da deputada do PSD, Margarida Mano, que negociou o diploma na comissão e votou na especialidade, Rui Rio desvalorizou o papel dos deputados: “Não é a dra. Margarida Mano que define o sentido de votação do PSD. Quem define o sentido da votação é a direção do grupo parlamentar e, muitas vezes, a direção do partido, que estão em completa consonância”, disse.

Ainda assim, e admitindo que os termos são técnicos e de difícil perceção para quem não domina a linguagem parlamentar, Rui Rio insiste que não houve da parte do PSD nenhuma votação diferente e culpa o primeiro-ministro da desinformação. “O primeiro-ministro foi secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, depois foi ministro dos Assuntos Parlamentares, portanto conhece o processo legislativo como ninguém, e mesmo assim veio hoje dizer uma coisa que sabe que é mentira. Ele sabe que isto não é verdade”, disse.

Costa com défice de sentido de Estado e PS a pôr a família à frente de Portugal

Depois de explicar a ideia de que não houve recuo nem votação diferente da parte do PSD, Rui Rio partiu ao ataque a António Costa: “tem um défice de sentido de Estado”. “Um primeiro-ministro tem de ser um estadista, tem de ser o garante da estabilidade e não da instabilidade”, afirmou, caracterizando esta crise política como uma “derrota da responsabilidade” e “mais uma machadada da política nacional”.

Resumindo, Rui Rio diz que o PS pôs os seus interesses à frente dos interesses do país e apenas por motivos eleitorais. “As verdadeiras razões foi para perturbar a campanha eleitoral das Europeias, que estavam a correr particularmente mal ao PS”, disse, afirmando que o lema do PS deve ser: “primeiro a família, depois o PS, depois Portugal”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)