A tecnológica liderada por Dara Khosrowshahi começa a ser transacionada na bolsa de Nova Iorque a partir desta sexta-feira com as ações a valerem 45 dólares cada, avança a Reuters. No IPO (sigla em inglês para a dispersão do capital social de uma empresa em bolsa) desta quinta-feira, a Uber vendeu 180 milhões de ações a este preço, o que fez com que levantasse 8,1 mil milhões e atingisse um valor de mercado de 74 mil milhões de dólares, abaixo da avaliação que tem atualmente. No total, a empresa fica então avaliada em cerca de 82,4 mil milhões de dólares.

A Uber tinha definido um intervalo de preço para as ações entre os 44 e os 50 dólares, o que poderia avaliar a empresa fundada por Travis Kalanick num máximo de 91 mil milhões. A avaliação ficou a baixo do previsto, num dia que foi marcado pelas negociações entre s EUA e a China. A bolsa nova-iorquina fechou esta quinta-feira em baixa, com os investidores a sofrerem com as ameaças de novas tarifas alfandegárias às importações chinesas a partir de sexta-feira, segundo a agência Lusa.

A Bloomberg conta que a Uber priorizou os investidores institucionais, porque acredita que manterão as ações por muito tempo e assim evitará o começo tumultuoso que a rival Lyft teve em bolsa. Mesmo com um preço abaixo das estimativas, o IPO da Uber continua a ser o maior desde a entrada da Alibaba na bolsa de Nova Iorque, em 2014, e um dos mais importantes da indústria tecnológica desde a entrada do Facebook em bolsa, em 2012.

Em 2018,  apesar de as receitas terem crescido 43%, para 11,3 mil milhões de dólares, os prejuízos operacionais da Uber somaram cerca de 3 mil milhões de dólares (no ano anterior foram de 4,1 mil milhões). Segundo as contas da Bloomberg, isto faz com que a empresa tenha perdido mais de 10 mil milhões de dólares nos últimos três anos. A operar em 700 cidades em 63 países, com mais de 5,2 mil milhões de viagens feitas em 2018, a Uber ainda pode demorar décadas a provar que tem um modelo de negócio sustentável.