Rádio Observador

Venezuela

Venezuela. Governo português participa em missão política do Grupo de Contacto em Caracas

O ministro dos Negócios Estrangeiros português quer fazer todos os possíveis para evitar agravar a situação na Venezuela. Propõe a "convocação de eleições democráticas, livres e justas".

A missão ocorre a 16 e 17 de maio e Augusto Santos Silva anunciou que Portugal será representado por José Luís Carneiro

Rául Martínez/EPA

O Grupo de Contacto Internacional para a Venezuela vai enviar entre quinta e sexta-feira a Caracas uma missão política, na qual participará o secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, anunciou esta segunda-feira, em Bruxelas, o ministro dos Negócios Estrangeiros.

No final da primeira sessão de trabalhos do Conselho de ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, que decorre entre esta segunda-feira e terça-feira em Bruxelas, Augusto Santos Silva indicou que, no já habitual ponto de agenda dedicado à situação na Venezuela, os países que integram o Grupo de Contacto deram conta “aos restantes colegas do essencial dos trabalhos havidos na terceira reunião”.

A reunião foi realizada na semana passada, em São José da Costa Rica, e decidiu o envio de uma missão política. Na reunião foram ainda tomadas “três decisões muito importantes”: estabelecer a título permanente, em Caracas, um grupo de apoio à ação humanitária, agendar reuniões com o Grupo de Lima e com a Comunidade dos Países do Caribe (que ainda estão a ser marcadas), e enviar uma missão política à Venezuela.

Santos Silva revelou que a missão ocorre “nas próximas quinta e sexta-feira, dias 16 e 17 de maio”, e o Governo far-se-á representar pelo secretário de Estado das Comunidades, José Luís Carneiro. “Entendemos que, depois de cinco missões ao nível técnico e diplomático, que mandámos entre janeiro e maio, desta vez fazia sentido e era o tempo de passar a um nível propriamente político”, explicou.

O chefe de diplomacia indicou que a missão tem como “objetivo fundamental apresentar a todas as partes da Venezuela o trabalho feito pelo Serviço Europeu de Ação Externa”, que considerou “muito interessante e muito útil, porque mostra, em relação a cada ponto chave do que deve ser um processo eleitoral conducente a novas eleições presidenciais na Venezuela, quais são as alternativas possíveis e quais são os pontos de compromisso possíveis”. “Para nós é muito importante fazermos tudo o que estiver ao nosso alcance para evitar radicalização e a demasiada polarização que pode bloquear uma solução pacífica para a crise venezuelana e insistir, com sugestões e propostas práticas, em que é inteiramente possível superar a crise política na Venezuela através da convocação de eleições democráticas, livres e justas”, concluiu.

Questionado sobre se esta missão vai encontrar-se com o presidente Nicolas Maduro, o ministro disse não ter ainda essa informação, mas lembrou que “as missões técnicas que foram enviadas até agora reuniram-se sempre com todas as partes no processo venezuelano” e reafirmou que, neste momento, o Grupo de Contacto Internacional “é provavelmente a única plataforma internacional de apoio à Venezuela que tem esta capacidade de interlocução com todos os atores relevantes” no país.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)