Rádio Observador

Terceira Idade

Queixas por violência sobre idosos aumentaram 20% em 2018 em serviço de Coimbra

O Serviço SOS Pessoa Idosa registou 317 pedidos de ajuda/contactos, em 2018. 70% dos agressores são familiares das vítimas e metade são filhos. As violências psicológica e física são as mais comuns.

O abuso financeiro, a negligência e abandono são também formas de violência registadas em muitos dos casos

YANNIS KOLESIDIS/EPA

Os pedidos de ajuda do Serviço SOS Pessoa Idosa da Fundação Bissaya Barreto (FBB), em Coimbra, aumentaram 20% em 2018, anunciou esta terça-feira a instituição, adiantando que cerca de 70% dos agressores são familiares.

No ano passado, registaram-se “317 pedidos de ajuda/contactos ao Serviço SOS Pessoa Idosa e 280 processos internos, tendo sido efetuadas 489 articulações interserviços, o que representa um aumento de cerca de 20%”, em relação a 2017, afirma a FBB, numa nota enviada esta terça-feira à agência Lusa.

Entre 2015 e 2018, o número de pedidos de ajuda duplicou e os processos quadruplicaram, sublinha a Fundação, na mesma nota, recordando que o Dia Internacional da Família é celebrado na quarta-feira (15 de maio).

“Nas denúncias efetuadas ao Serviço SOS Pessoa Idosa, no ano de 2018, cerca de 70% dos indivíduos maltratantes estão identificados como familiares, pelo que se pode inferir que a relação entre a vítima e o agressor é, na maior parte dos casos, de parentesco”, refere a instituição.

Cerca de metade dos agressores são filhos das vítimas, ainda de acordo com os dados registados por aquele serviço em 2018, salienta a FBB, indicando que, por outro lado, “na sua maioria (66%), as vítimas são mulheres” e que “47% corresponde a pessoas em situações de viuvez”.

Com uma média de idades de 79 anos, 39% das vítimas habitam sozinhas, constituindo percentagens inferiores às que residem com os filhos (21%), na companhia do cônjuge (14%) ou em instituições (9%). Os casais são vítimas em conjunto em 10% das situações.

Em Portugal, um dos fatores que pode contribuir para aumentar a vulnerabilidade da população idosa face às situações de violência é o facto de este ser um dos países da Europa onde existe uma maior proporção de pessoas com 75 e mais anos, a coabitar ou ao cuidado de familiares diretos, por afinidade, ou por pessoas sem laço familiar, admite o SOS Pessoa Idosa.

Como formas de violências mais frequentes, de acordo com a identificação realizada por aquele Serviço, surgem agregadas as violências psicológica e física, o abuso financeiro e a violência psicológica e a negligência e abandono, com percentagens que variam entre os 17% e os 15%.

O distrito com mais pedidos de ajuda e denúncias é o de Lisboa com 24%, seguido de Coimbra com 21%, de Setúbal com 14% e do Porto com 9%.

Para a responsável pelo Serviço, Marta Ferreira, “o lugar de honra e a dignidade que as pessoas idosas de tempos anteriores tinham como garantidos, encontram-se atualmente comprometidos”.

As gerações familiares mais jovens, assumem, atualmente “direito sobre o destino dos mais velhos, sem considerar a opinião e vontade que têm sobre a sua própria vida”, afirma Marta Ferreira, citada pela FBB.

Acontece que “familiares próximos tomam decisão sobre a gestão dos bens da pessoa idosa, que ainda não lhes pertencem, ou negligenciam as suas responsabilidades familiares, sem interesse pelo bem-estar da quem já não se pode auto determinar, auto proteger”, explicita a responsável.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igualdade de Género

Género: igualdade ou ideologia?

Diogo Costa Gonçalves

Se estamos perante uma (nova) visão antropológica, porquê qualificá-la como ideologia? Porque tal ideia pré-concebida vive em constante tensão com a realidade empírica, começando pela própria biologia

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)