Justiça

Operação Cavaleiro. Ex-diretor do Museu da Presidência vai saber em 11 de junho se vai ser julgado

Diogo Gaspar é acusado de 42 crimes de abuso de poder, falsificação de documentos, peculato e branqueamento. Advogado diz que "não falta um clip nem um pionés no Museu da Presidência".

Diogo Gaspar terá cometido os crimes entre 2004 e 2016

Pedro Nunes/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A juíza de instrução Maria Antónia Andrade marcou esta quinta-feira para 11 de junho a decisão instrutória da Operação Cavaleiro, que tem o ex-diretor do museu da Presidência da República Diogo Gaspar como principal arguido.

O advogado de Diogo Gaspar contestou durante mais de duas horas a acusação do Ministério Público, repetindo diversas vezes que os argumentos para justificar a existência de 42 crimes são sustentados em “muita criatividade”. Raul Soares da Veiga considerou que, “quanto muito foram cometidas irregularidades que foram hiperbolizadas” e que os crimes que são imputados ao arguido são “exagerados e forçadíssimos”, até porque “não falta um clip nem um pionés no Museu da Presidência”.

Recordando que o caso teve início numa “denúncia anónima muito bem escrita em jeito de alegação”, o advogado defendeu que após as buscas da Polícia Judiciária e a detenção do arguido, o MP “ficou com as mãos atadas e tiveram de arranjar crimes”. Para o defensor de Diogo Gaspar, aquilo que o Ministério Público considera crime de abuso de poder, participação económica em negócio ou tráfico de influência foram “meras recomendações, sugestões” e isso “não é crime”.

Sobre o pagamento de viagens e estadas em hotéis por parte da secretaria-geral da Presidência a Diogo Gaspar e a Paulo Duarte [outro dos quatro arguidos], Soares da Veiga criticou o MP, dizendo que partes da acusação espelhavam um “preconceito discriminatório homofóbico”, quando fala em “favorecer alguém com uma relação próxima”.

Paulo Duarte, além de namorado de Diogo Gaspar era o responsável pela loja do Palácio da Cidadela, em Cascais e as viagens que faziam, disse, eram para procurar bens para vender. Este comentário mereceu uma réplica do procurador que disse estar “absolutamente perplexo” com a acusação. “Estamos perante crimes económico-financeiros, não é pertinente nem relevante a sexualidade do arguido”, disse o representante do MP que mereceu a concordância da advogada da secretaria-geral da Presidência que também “repudiou as considerações”.

À semelhança de Soares da Veiga, também os advogados dos restantes arguidos – José Dias, Paulo Duarte e Vitor Santos – pediram para não serem julgados e para que o caso fosse encerrado.

Diogo Gaspar está acusado por abuso de poder, participação económica em negócio, falsificação de documento, peculato, tráfico de influência e branqueamento de capitais, alegando que entre 2004 e 2016, o arguido que exercia funções no Museu da Presidência da República utilizou a sua posição, funções e atribuições e para obter vantagens patrimoniais e não patrimoniais indevidas, em seu benefício e de terceiros.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)