Moçambique

Caso dívidas ocultas. África do Sul anuncia que Manuel Chang será extraditado para Moçambique

O antigo ministro das Finanças de Moçambique detido na África do Sul desde dezembro no âmbito do caso das dívidas ocultas, vai ser extraditado para o seu país, anunciou o Governo da África do Sul.

ANTÓNIO SILVA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O antigo ministro das Finanças de Moçambique Manuel Chang, detido na África do Sul desde dezembro no âmbito do caso das dívidas ocultas, vai ser extraditado para o seu país, anunciou esta terça-feira o ministro da Justiça sul-africano.

“Eu decidi que o acusado, o senhor Manuel Chang, será extraditado para enfrentar julgamento pelos seus alegados crimes em Moçambique”, disse o ministro da Justiça e Serviços Correcionais da África do Sul, Michael Masutha, citado num comunicado divulgado esta terça-feira pelo Ministério da Justiça e Desenvolvimento Constitucional.

O Governo sul-africano vai notificar “nos próximos dias” Moçambique, os EUA e a Interpol sobre a decisão ministerial de hoje de extraditar o antigo ministro das Finanças moçambicano Manuel Chang para o seu país, disse à Lusa fonte oficial.

“Vamos notificar Moçambique, notificar os Estados Unidos e a Interpol [polícia internacional] da nossa decisão nos próximos dias”, disse, em declarações à Lusa, Max Mpuzana, porta-voz do ministro da Justiça e Serviços Correcionais da África do Sul.

Questionado pela Lusa, o porta-voz disse que a decisão do ministro Michael Masutha de extraditar o antigo governante moçambicano para o seu país “foi tomada durante o dia de hoje”.

Segundo Mpuzana, o processo administrativo de extradição de Manuel Chang terá início logo após a notificação dos respetivos países e da polícia internacional.

Contactados pela Lusa, os advogados de Mauel Chang escusaram-se a comentar a decisão anunciada hoje pelo ministro da Justiça sul-africano.

“Eu decidi que o acusado, o senhor Manuel Chang, será extraditado para enfrentar julgamento pelos seus alegados crimes em Moçambique”, disse o ministro da Justiça e Serviços Correcionais da África do Sul, Michael Masutha, citado num comunicado hoje divulgado pelo Ministério da Justiça e Desenvolvimento Constitucional.

De acordo com a mesma nota, o governante sul-africano teve em conta que “o acusado é cidadão da República de Moçambique”, que “o alegado crime foi cometido enquanto ele era ministro de Estado” moçambicano e que a “dívida onerosa para Moçambique resultou da alegada fraude”.

Por outro lado, o Governo sul-africano teve ainda em consideração a “submissão feita pelo senhor Chang para ser extraditado para o seu país natal”, o “interesse dos Estados [Estados Unidos da América e Moçambique] envolvidos” e a “seriedade do alegado crime”.

O juiz William Schutte do tribunal de Kempton Park, arredores de Joanesburgo, considerou válido o pedido concorrencial de Moçambique, ao remeter em 08 de abril para o ministro da Justiça a decisão sobre a extradição de Manuel Chang, depois de ter decidido na manhã desse dia que o antigo governante moçambicano tinha condições para ser extraditado para os Estados Unidos.

O processo de extradição de Manuel Chang foi enviado para o governante sul-africano cerca de duas semanas antes das eleições legislativas de 08 de maio, em que o Congresso Nacional Africano (ANC), partido no poder, obteve a maioria de 57,5%, a mais baixa de sempre desde 2014.

O ex-ministro das Finanças de Moçambique, detido na África do Sul desde dezembro a pedido dos Estado Unidos no âmbito da sua investigação às dívidas ocultas de mais de 2 mil milhões de dólares, continua a gozar de imunidade parlamentar e não será julgado em Moçambique, segundo o pedido submetido por Moçambique à justiça sul-africana.

África do Sul notifica nos “próximos dias” Moaçmbique, EUA e a Interpol

O Governo sul-africano vai notificar “nos próximos dias” Moçambique, os EUA e a Interpol sobre a decisão ministerial de extraditar o antigo ministro das Finanças moçambicano Manuel Chang para o seu país, disse à Lusa fonte oficial.

“Vamos notificar Moçambique, notificar os Estados Unidos e a Interpol [polícia internacional] da nossa decisão nos próximos dias”, disse, em declarações à Lusa, Max Mpuzana, porta-voz do ministro da Justiça e Serviços Correcionais da África do Sul.

Questionado pela Lusa, o porta-voz disse que a decisão do ministro Michael Masutha de extraditar o antigo governante moçambicano para o seu país “foi tomada durante o dia de hoje”.

Segundo Mpuzana, o processo administrativo de extradição de Manuel Chang terá início logo após a notificação dos respetivos países e da polícia internacional.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

Está Moçambique a gelar relações connosco?

José Ribeiro e Castro
567

Há três anos que o empresário português Américo Sebastião foi raptado, há três anos que o Estado moçambicano continua a resistir e a recusar a cooperação judiciária várias vezes oferecida por Portugal

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)