Facebook

Quer continuar a utilizar o WhatsApp? Pode, mas vai ter anúncios

126

A aplicação de chat para telemóveis vai começar a ter anúncios já em 2020. Ao abrir a app as marcas vão poder pagar à empresa para que veja publicidade como uma story do Instagram.

O WhatsApp foi comprado em 2014 pelo Facebook. Atualmente, o serviço de mensagens é utilizado por cerca de 1,5 mil milhões de pessoas

HAYOUNG JEON/EPA

Não vai ser preciso pagar para continuar a utilizar a aplicação de mensagens WhatsApp, mas como não há almoços grátis prepare-se para começar a ver anúncios na plataforma detida pelo Facebook. Como conta o 9to5Google, ao abrir a app vai passar a ver o “Estado” de marcas que comprem publicidade ao estilo das “stories” do Instagram. Esta medida arranca já em 2020.

Já era conhecido que o WhatsApp ia começar a ter publicidade brevemente, mas na quarta-feira o Facebook mostrou na Holanda na conferência anual de marketing da empresa imagens de como vai funcionar. Além da publicidade dentro do WhatsApp, as outras redes sociais da empresa, Instagram e Facebook, vão passar a poder ter anúncios que,  ao carregar, direcionam o utilizador para uma conversação patrocinada nesta app.

[No Twitter vários utilizadores partilharam imagens do evento nas quais é possível ver como vão funcionar — na terceira fotografia — os estados patrocinados no WhatsApp]

Para já, o Facebook não divulgou novas medidas sobre como pretende monetizar de outras formas o WhatsApp, serviço que comprou em 2014 por 19 mil milhões de dólares (cerca de 17 mil milhões de euros).

A empresa fundada e gerida por Mark Zuckerberg já afirmou que, no futuro, a integração entre os vários serviços de mensagens online da empresa — Messenger, WhatsApp e Direct — vai passar a ser mais fluída, agregando os utilizadores a todas as redes sociais do Facebook.

Com este anúncio, o Facebook divulgou também novas ferramentas para o WhatsApp Business, o serviço de mensagens do WhatsApp para empresas. Os patrocinadores vão ter mais opções para a formatação de mensagens e o catálogo de produtos do WhatsApp vai passar a ser partilhado com o gestor da rede social Facebook para empresas.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)