Embora as vendas da Mercedes estejam actualmente em valores recorde, a realidade é que os fabricantes nunca estão satisfeitos e, impulsionados pelos accionistas, querem sempre mais: vendas e lucros. Na opinião de quem está à frente da marca germânica, a estratégia passa por começar a concentrar esforços nas miúdas de tenra idade, aquelas que ainda brincam com bonecas e a que os alemães querem abrir os horizontes, para que passem a divertir-se com carrinhos.

Para apelar à próxima geração de condutoras, a Mercedes deu a mão à Mattel e à Dream Gap Foundation, tudo para oferecer a milhares de raparigas miniaturas em metal da Matchbox e, assim, plantar o “bichinho”. O tempo dirá se esta estratégia terá sucesso.

Para ajudar a passar a mensagem, a Mercedes escolheu uma miniatura do 220SE, o mesmo que a sueca Ewy Rosqvist-von Korff conduziu no Grande Prémio – na época era mais um rali do que uma prova de velocidade – da Argentina em 1962. Rosqvist, que poucos acreditavam que conseguiria terminar a prova, quanto mais vencê-la, foi a primeira classificada no final, com três horas de avanço sobre o segundo, a uma média de 126 km/h e foi a primeira mulher a ganhar a este nível.