Rádio Observador

Futebol

O Valencia de Guedes roubou a Taça do Rei a Messi e ao Barcelona e Valverde pode estar de saída

225

O Valencia de Gonçalo Guedes venceu o Barcelona na final da Taça do Rei e conquistou um título mais de dez anos depois. Somando outro desaire depois de Liverpool, Valverde pode estar de saída.

O argentino ainda reduziu a desvantagem mas não conseguiu evitar a derrota

AFP/Getty Images

Até à primeira semana deste mês de maio, o Barcelona era bicampeão espanhol, estava nas meias-finais da Liga dos Campeões e havia vencido o Liverpool por 3-0 na primeira mão e tinha um lugar reservado na final da Taça do Rei perante o Valencia. Afigurava-se uma temporada histórica para os catalães, que podiam acrescentar o segundo título interno à Liga espanhola e ainda sonhar com o troféu europeu. Menos de um mês depois, o Barcelona caiu com estrondo em Anfield depois de um remontada impressionante do Liverpool e perdeu este sábado a final da Taça do Rei perante o Valencia.

A equipa de Gonçalo Guedes começou a vencer ao minuto 21, graças a um golo de Kévin Gameiro, e aumentou a vantagem ainda antes do intervalo, por intermédio do ex-Benfica Rodrigo. Na segunda parte, nem mais um marco histórico de Lionel Messi chegou para evitar a derrota catalã: o argentino reduziu a desvantagem (73′) e tornou-se o primeiro jogador da história do futebol espanhol a marcar em seis finais da Taça do Rei. Guedes teve nos pés a oportunidade de matar a final, já no segundo minuto de descontos, mas falhou de forma quase inacreditável. A vitória, porém, não escapou ao Valencia, que vingou na Taça a eliminação nas meias-finais da Liga Europa aos pés do Arsenal.

A derrota do Barcelona agudiza uma crise que tem sido explorada pelos desportivos espanhóis e que coloca vários jogadores dos blaugrana na porta de saída. Depois da eliminação na Liga dos Campeões, o presidente Josep Maria Bartomeu garantiu que todas as decisões sobre a permanência de Ernesto Valverde seriam tomadas após a final da Taça: ora, apesar da revalidação do título espanhol, a verdade é que o Barcelona falhou dois dos três principais objetivos da época e acaba por ir de férias de verão com um sentimento agridoce. O treinador viveu mais uma noite para esquecer e tem a manutenção claramente ameaçada, principalmente num clube que raramente admite desaires desta magnitude. Algo que ficou claro, principalmente, com as declarações de Piqué no final do jogo deste sábado. “Não temos desculpas. Somos o Barcelona e estamos obrigados e ganhar tudo, principalmente contra o Valencia. Não nos preocupa o futuro do treinador, temos de fazer uma análise individual de cada um e daquilo que podemos melhorar”, explicou o central espanhol.

O Valencia, por sua vez, coroa com a Taça do Rei uma temporada em que ficou à porta de uma final europeia e terminou o Campeonato no quarto lugar, garantindo a presença na Liga dos Campeões da próxima época. Voz absoluta de uma cidade, o conjunto de Gonçalo Guedes voltou a conquistar um título mais de dez anos depois: a última vez que o Valencia tinha levantando um troféu, precisamente a Taça do Rei, tinha sido em 2007/08. Esta geração valenciana, comandada pelo capitão Dani Parejo, abriu aquela que pode ser uma nova janela temporal na história do clube e parece aproximar-se do conjunto que no início do milénio foi campeão espanhol duas vezes, chegou a duas finais da Liga dos Campeões e ganhou uma Taça UEFA.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)