A Turma da Mônica, banda desenhada criada pelo cartoonista brasileiro Maurício, viajou até Cabo Verde onde está patente uma exposição que mostra a diversidade cultural dos países da CPLP numa aventura que deu a volta ao mundo em português.

“Turma da Mônica: Viagem aos países de língua portuguesa” é o nome da exposição que foi inaugurada esta segunda-feira na sede do Instituto Internacional da Língua Portuguesa (IILP), na cidade da Praia, uma iniciativa da embaixada do Brasil em Cabo Verde.

Dirigida aos mais novos, e não só, a exposição consta de vários posters em que a Turma da Mônica, composta por personagens de uma banda desenhada brasileira, conhece os nove países da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), seus usos e costumes, explicados em português.

Afinal, como reconhece a personagem principal no final da viagem, através desta aventura foi possível “ir a vários continentes” sem deixar de falar português.

Os “quadrinhos” vão estar patentes ao público durante dois meses, entre os quais o próximo Dia da Criança (01 de junho), durante o qual as portas do IILP estarão abertas, e farão depois parte de um livro.

Paula Alves de Sousa, responsável pelo departamento cultural do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, esteve presente na inauguração da exposição e disse aos jornalistas que esta é “uma forma lúdica” de todos se conhecerem mais e melhor.

Sobre o universo em português, percorrido nesta aventura pela Turma da Mônica, reconheceu que é “um mundo a ser descoberto”.

“É importante que todos nós, que falamos a mesma língua, nos conheçamos mais. É preciso o brasileiro conhecer essa dimensão externa e acho que a Turma da Mônica é um grande passo para as crianças saberem que esse universo fora delas existe, que é o universo da língua portuguesa que é tão familiar”, afirmou.

Por seu lado, o diretor-executivo do IILP, o investigador e linguista Icanha Itunga, só lamentou que a exposição dure apenas dois meses.

“É uma mostra da nossa diversidade cultural, apesar da nossa unidade linguística”, adiantou aos jornalistas.

Icanha Itunga classifica a exposição de “muito didática, que fala dos países da CPLP, das suas principais características”.

Sobre a descoberta que a exposição proporciona, o diretor-executivo do IILP não tem dúvida de que, através desta viagem da Turma da Mônica, o público, crianças e não só, pode ficar a conhecer os nove países representados.

“Quero que [as crianças] descubram. É para atingir as crianças. Numa linguagem simples, resumida, as crianças poderão em pouco tempo ver e sentir o que são os países membros da CPLP”.

Maurício Barbosa, autor da Turma da Mônica, explica que, “desta vez, a viagem é a todos os países que falam o português”.

“E como essa língua que é comum a tantos povos é bonita! Mais do que isso: quantas diferenças ela pode apresentar em cada uma dessas localidades, esse aspeto é de uma riqueza inestimável”, lê-se na introdução da mostra.

O embaixador do Brasil em Cabo Verde, José Carlos Leitão, também deixou um registo, sublinhando um dos pilares da iniciativa: “A valorização do caráter pluricêntrico da língua portuguesa. Ainda que o Brasil corresponda a 80% dos lusófonos do mundo, todas as variantes do português são igualmente legítimas e contribuem, com suas diferenças para o enriquecimento da língua portuguesa”.