Rádio Observador

Arte Contemporânea

Estado perdeu o rasto de 170 obras de arte que detinha, entre desenhos de Júlio Pomar e fotografias de Helena Almeida

13.167

Há 170 obras de arte que integravam a coleção SEC (Coleção de Arte Contemporânea do Ministério da Cultura) em "localização desconhecida", noticia o Expresso. Ter-se-ão perdido ao longo dos anos.

Entre as obras que ganharam "localização desconhecida" nos últimos anos está uma série fotográfica da artista portuguesa Helena Almeida

Obra de Helena Almeida

Reúne obras de alguns dos maiores artistas nacionais, a que se juntam algumas peças de artistas estrangeiros como Andy Warhol e Robert Mapplethorpe. Ao todo, a habitualmente chamada Coleção SEC, que é na verdade a Coleção de Arte Contemporânea do Ministério da Cultura, inclui 1367 obras. Dessas, 170 ter-se-ão perdido com o tempo, noticia este sábado o semanário Expresso. Chegaram a estar perdidas mais de 200 obras, mas algumas foram sendo recuperadas nos últimos anos.

Há tesouros absolutos entre as obras de arte que estavam na posse do Estado mas cujo paradeiro é agora desconhecido. Entre estes está o conjunto “Entrada Negra”, uma série de seis fotografias de uma das mais importantes e internacionais artistas portuguesas do século XX, Helena Almeida, que “viu um exemplar [da série fotográfica] ser leiloado em 2016 na Sotheby’s de Londres por 14.400 libras, cerca de 21.296 euros, a preços de hoje”. Entre as obras perdidas está também um desenho de Júlio Pomar, “Estudo para o Cinema Batalha”, feito para o fresco que esteve exibido no cinema homónimo do Porto até este ser alvo da censura do Estado Novo.

O Estado terá ainda perdido o rasto a criações de artistas como Graça Morais, Maria Helena Vieira da Silva e António Dacosta, entre vários outros, acrescenta o Expresso. O semanário recorda ainda que a coleção começou a ganhar forma a seguir ao 25 de abril, em 1976, “por determinação de David Mourão-Ferreira”, responsável à época pela tutela da Secretaria de Estado da Cultura do I Governo, liderado por Mário Soares.

Onde se perderam as obras? Em embaixadas, ministérios…

A quantidade de obras a que os sucessivos Governos perderam o rasto, nos últimos 43 anos, é invulgarmente alta e exige uma resposta: como é que se perderam tantas obras de arte de uma coleção pública?

Entre as peças perdidas estarão “dezenas de serigrafias, um suporte habitualmente usado na decoração, o que facilmente se associa às inúmeras obras requisitadas pelas embaixadas portuguesas — de Madrid a Pequim — que nos anos 90 assim compuseram os seus gabinetes”, revela o Expresso. Um funcionário do Estado “que esteve em contacto com a coleção” sugeriu  que grande parte ter-se-á perdido entre embaixadas: “No início dos anos 2000, quando se tentou recuperar muitas dessas peças, grande parte das embaixadas não sabia onde as tinha“. Já um curador de um museu nacional, também não identificado, apontou que muitas obras ter-se-ão perdido entre gabinetes de Governo e de outras instituições públicas:

À época não havia autos de entrega nem documentação de arquivo”, revelou este curador ao Expresso.

Chegou a ser denunciado — em 1990 — um roubo de fotografias que faziam parte da Coleção Nacional de Fotografia e que integravam a Coleção SEC, mas a maior parte das 170 obras ter-se-á perdido, não tendo sido alvo de roubos denunciados. Existem, ainda assim, mais de mil obras que subsistem na coleção de arte, que parece estar largamente desaproveitada: o Expresso refere que esta está “hoje dispersa por vários locais sem acesso público” e maioritariamente depositada na Fundação de Serralves, no Centro Cultural de Belém, na Câmara Municipal de Aveiro e na Direção-Geral do Livro, Arquivos e Bibliotecas.

Há também obras da coleção — que inclui criações de Paula Rego, Almada Negreiros, Santa Rita, Julião Sarmento, Pedro Cabrita Reis, Andy Warhol e Robert Mapplethorpe, entre outros — a decorar “gabinetes de ministros e secretários de Estado, no Ministério da Cultura, na Presidência da República e na Direção-Geral das Artes, em diversas embaixadas e até na Direção Regional de Cultura do Norte”.

De futuro, a situação deverá alterar-se: o Governo de António Costa planeia “a exposição das obras [que não se perderam] por equipamentos de todo o país”, revelou ao Expresso o gabinete da atual ministra da Cultura, Graça Fonseca.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)