Internet

Serviços da Google como o Youtube e o Google Cloud com “falhas” em vários países

Em vários pontos do mundo, serviços da Google como o Youtube e Gmail tiveram esta noite falhas. Fala-se em "apagão" na costa leste dos EUA. A tecnológica garante ter identificado problema.

Nota – O artigo referia inicialmente e erradamente a rede social Snapchat como pertencendo à Google. Pelo lapso, as nossas desculpas

Vários serviços da Google, entre os quais o motor de busca da empresa, o Youtube e o serviço de correio eletrónico Gmail, falharam esta noite de domingo e madrugada de segunda-feira em alguns pontos do mundo. O jornal El Español relata mesmo que “a Google sofreu uma quebra a nível mundial de quase todos os seus serviços”, uma quebra que se sentiu com maior incidência “na costa leste dos Estados Unidos, em parte da costa oeste, nas ilhas britânicas e, além disso, em várias zonas da Europa continental, entre as quais Espanha”. As falhas afetaram ainda serviços como o Calendar e o Drive. Esta manhã de segunda-feira o problema foi dado como resolvido e a Google anunciou que vai fazer uma investigação para perceber o que aconteceu e para que não volte a repetir-se.

Ainda na noite de domingo, a agência Reuters corroborou que há um “apagão” de serviços da empresa detentora da Google (Alphabet Inc) pelo menos a leste dos Estados Unidos da América, “afetando múltiplos serviços da Google Cloud, G Suite e Youtube” — e afetando também o Snapchat. A própria Google tomou uma posição oficial, escrevendo: “Acreditamos ter identificado a causa que provocou o congestionamento [dos serviços] e esperamos retomar os serviços normais brevemente”.

Os utilizadores podem notar uma performance lenta ou erros intermitentes”, apontou ainda a Google.

Às 23h10, o Observador testou o motor de busca da Google e também um dos serviços que o integram, o Google News. Após pesquisar, foi impossível encontrar notícias publicadas na última hora, por exemplo.

O El Español acrescentou que em muitos pontos do mundo “também não está disponível o serviço de sincronização dos dispositivos Google Sync”, sendo que também o “serviço de mensagens instantâneas Hangout”, do Gmail, encontra-se fora de serviço em alguns pontos do mundo.

No site Down Detector, que aponta os relatos de falhas de navegação na internet de utilizadores, as queixas dispararam entre as 19h e as 20h portuguesas. Há comentários relativos a falhas da Google quase a cada minuto, vindos de utilizadores de vários pontos do mundo que se concentram neste site.

Os jornais espanhóis ABC e El Español, assim como o jornalista de investigação Eric Lipton, do The New York Times, divulgaram uma imagem nas redes sociais com uma atualização do estado dos seus serviços feita pela Google, onde a gigante tecnológica confirma a existência de problemas nos seus serviços.

Em abril, a Google já tinha sofrido falhas que afetaram utilizadores que tentaram fazer aceder às suas contas em várias aplicações da tecnológica, como o Gmail e o Google Docs. O problema, na altura, demorou cerca de duas horas a ser resolvido e afetou utilizadores dos Estados Unidos da América, Reino Unido, Índia, Singapura, África do Sul, Austrália e de alguns países europeus, referiu o jornal inglês The Guardian.

(Artigo atualizado às 12h23 de segunda-feira)

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: gcorreia@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)