Rádio Observador

Poluição

Descarbonização é desafio que significará esforço de adaptação para as empresas, diz Siza Viera

Os ministérios da Economia e do Ambiente lançaram esta quarta-feira uma linha de crédito de 100 milhões de euros para a descarbonização de PME.

Pedro Siza Vieira diz que nos próximos anos será feito um grande esforço de inovação e investimento das empresas portuguesas

MÁRIO CRUZ/LUSA

O ministro adjunto e da Economia, Siza Vieira, afirmou esta quarta-feira que a “descarbonização é um desafio” que significará para as empresas “um esforço de adaptação”.

Na apresentação de uma linha de crédito para a descarbonização, Pedro Siza Vieira sublinhou a importância “crítica” do processo de descarbonização que o país abraçou. “Não temos outro planeta. Partilhamos este nosso frágil globo com diversas espécies indispensáveis à sobrevivência da humanidade”, afirmou o governante. “Temos de passar para uma economia que seja capaz de repor e sustentar aquilo que é necessário para a sobrevivência destas espécies”, acrescentou.

Pedro Siza Vieira considera que nos próximos anos se espera um grande esforço de inovação e investimento das empresas portuguesas, e que “as entidades públicas não se podem desvincular de criar as condições adequadas” para que as companhias se adaptem a uma economia neutra em carbono.

Também presente na sessão, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, afirmou que falar de ambiente hoje vai muito além de controlo, reciclagem e energias renováveis. “Desafios globais e transversais como as alterações climáticas não se podem confinar à atuação de um só ministério”, disse Matos Fernandes. “A economia tem de ser desenhada de modo a garantir as bases da estabilidade social” e “as empresas começam a perceber que a mudança está a chegar, se calhar mais cedo do que pensavam há quatro anos”, acrescentou o ministro do ambiente.

O governante com a pasta do Ambiente referiu também que a aposta na descarbonização e economia circular vai representar um investimento de um bilião de euros até 2050 e que “no mínimo 85% deste investimento será de privados”.

Os ministérios da Economia e do Ambiente lançaram esta quarta-feira, Dia Mundial do Ambiente, uma linha de crédito de 100 milhões de euros para a descarbonização e economia circular, dirigida a PME industriais e do setor do Turismo.

O novo instrumento de financiamento visa facilitar às empresas a transição de fontes de energia fósseis para energias renováveis, contribuindo assim para cumprir as metas definidas no Plano Nacional Integrado de Energia e Clima (PNEC).

A criação desta linha de crédito tem também como objetivo acelerar o processo de mudança para uma economia circular, criando oportunidades desde o redesenho de processos, produtos e novos modelos de negócio até à otimização da utilização de recursos, de acordo com o definido pelo Plano Nacional de Ação para a Economia Circular (PAEC) e pelo Plano Europeu para a Economia Circular.

Este novo instrumento financeiro vai ser operacionalizado por 10 bancos, nomeadamente o Bankinter, BPI, Caixa Central do Crédito Agrícola, Caixa Económica do Montepio Geral, Caixa Geral de Depósitos, Euro BIC, Millennium BCP, Novo Banco Açores, Novo Banco e Santander Totta.

A linha de crédito hoje lançada, no âmbito do Programa Interface, representa uma melhoria das condições de financiamento e da tipologia de operações abrangidas, com o apoio público a passar pelo sistema de garantia mútua nacional e, também, pela bonificação das taxas de juro associadas a cada operação.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Turismo

A turistificação da economia algarvia

António Covas

Não é tarefa fácil falar de diversificação da base económica regional quando a atividade turística é aquela que remunera mais rapidamente as pequenas poupanças e os pequenos investimentos realizados.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)