O Governo da Guiné Equatorial disse que não há discrepâncias nos dados macroeconómicos enviados ao FMI, uma vez que os valores dizem respeito ao crescimento nominal e não ao crescimento real, que continua em recessão.

Em declarações à Lusa, uma fonte oficial do executivo explicou que os números que aparecem na página do Fundo Monetário Internacional (FMI) referente ao novo sistema de disseminação de dados harmonizados dizem respeito ao crescimento nominal da economia, que tem aumentado, ao passo que o crescimento real está negativo desde 2015, quando registou uma recessão de 9,1%.

“Apesar de a economia da Guiné Equatorial continuar em recessão, observou-se uma melhoria na evolução do crescimento do seu PIB em comparação com os anos anteriores, passando de -9,1% em 2015, para -8,8% em 2016 e uma melhoria para -4,7% em 2017”, explicou esta fonte oficial, que aponta também para uma previsão de recessão de 2,9% no ano passado e de um novo crescimento negativo este ano, de 3,1%.

A informação usada anteriormente pela Lusa consta das tabelas dos números oficiais enviados ao FMI ao abrigo da adesão ao programa avançado de disseminação de dados que o Fundo encoraja os países a usar para promover a transparência nas contas públicas, nas quais constam os dados do crescimento real e o crescimento nominal, embora sem especificar qual das parcelas corresponde a que tipo de crescimento.

Nessa página, constata-se que em termos de crescimento real, os valores apontam para crescimentos positivos de 7,3% em 2017 e de 3,4% no ano passado, ao passo que o crescimento real aponta para valores negativos nos últimos anos.

O PIB nominal é a soma de todos os produtos e serviços comercializados num determinado ano, ao passo que o PIB real representa a produção eliminando o valor da inflação de cada ano e tendo em conta um determinado ano de partida.

O programa avançado de disseminação de dados (Enhanced General Data Dissemination System, no original) é uma plataforma de apresentação dos dados oficiais de cada país, com o objetivo de “servir de ponto único de publicação para os dados macroeconómicos essenciais sobre as contas nacionais, operações governamentais e de dívida, setor monetário e financeiro, e balança de pagamentos”, de acordo com o comunicado distribuído hoje ao final da tarde.

Estes dados, lê-se no comunicado, “são colocados no site do Gabinete de Estatísticas Nacional, utilizando a Troca de Dados e Metadados Estatísticos”, e é acessível através de uma plataforma informática disponibilizada pelo FMI.

“Esta página contém ligações para as estatísticas publicadas pelos produtores oficiais de dados, nomeadamente o Banco Central dos Estados Africanos Centrais, o Instituto de Estatísticas Nacional e o Ministério das Finanças, Economia e Planeamento” da Guiné Equatorial, segundo o comunicado.

“A publicação de dados macroeconómicos essenciais através do site vai dar aos decisores políticos nacionais e acionistas internos e externos, incluindo investidores e agências de notação financeira, acesso fácil a informação que o FMI identificou como crítica para monitorizar as condições económicas e de políticas”, lê-se ainda no comunicado divulgado em Washington.