Rádio Observador

Ordem dos Médicos

Médicos têm cada vez com mais receio de represálias se denunciarem insuficiências

3.029

O bastonário da Ordem dos Médicos alertou que os profissionais de saúde têm "cada vez mais receio" de denunciar situações de insuficiências ou mau funcionamento dos serviços.

Profissionais temem "o papel das administrações e de quem tem responsabilidades políticas".

TIAGO MARQUES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O bastonário da Ordem dos Médicos alertou esta quarta-feira no parlamento que os profissionais de saúde têm “cada vez mais receio” de denunciar situações de insuficiências ou mau funcionamento dos serviços, por medo de “implicações negativas”.

Miguel Guimarães esteve a ser ouvido esta quarta-feira na comissão parlamentar de Saúde sobre situações de atrasos de exames em doentes oncológicos, lembrando que a dificuldade de acesso a exames acontece em muitos hospitais do SNS, que recorrem a outras instituições ou a privados “porque não têm capacidade”.

“É uma situação transversal”, indicou, avisando que os profissionais de saúde “têm cada vez mais receio de denunciar os casos” que conhecem, temendo “o papel das administrações e de quem tem responsabilidades políticas”.

“As pessoas não se sentem protegidas. Quem faz a denúncia de um caso pode ter implicações negativas na sua vida profissional”, disse o bastonário, corroborando declarações no mesmo sentido da deputada do CDS Isabel Galriça Neto.

O bastonário refere que continua a receber denúncias de situações, mas em que as pessoas pedem geralmente para não ser identificadas.

Sobre o caso apreciado esta quarta-feira na comissão parlamentar de Saúde relativo ao atraso de um exame a um doente com cancro do pulmão, que acabou por morrer, o bastonário considerou que “não é minimamente aceitável”, sendo “um caso grave”, mas que “não é isolado”, demonstrando ainda falta de trabalho de equipa, nomeadamente entre instituições do SNS.

Segundo Ulisses Brito, representante da Ordem no Algarve, o caso terá ocorrido porque o exame era remetido para o IPO de Lisboa, que por uma questão administrativa passou a exigir um termo de responsabilidade, fruto da alteração de um protocolo que tinha com a indústria farmacêutica, que custeava esses exames.

A Ordem dos Médicos foi questionada pelo PS sobre se haveria razões para uma intervenção da associação profissional, tendo o bastonário recusado esta ideia por não estarem em causa questões éticas ou deontológicas dos médicos.

O deputado socialista Luís Graça perguntou ainda ao bastonário as razões para as vagas nos concursos médicos ficarem vazias.

“A Ordem tem responsabilidades em algumas áreas, mas não tem a responsabilidade pelo SNS. A responsabilidade é dos gestores políticos. Que nada fazem para reter no país [os profissionais]. Já perguntou à senhora ministra da Saúde porquê?”, contrapôs Miguel Guimarães.

Para o bastonário, a responsabilidade política “tem de ser completamente diferenciada” da responsabilidade dos profissionais de saúde.

“Os profissionais, como os médicos e os enfermeiros, fazem o que podem e o que não podem. Por isso é que têm um nível de ‘burnout’ elevadíssimo”, lamentou Miguel Guimarães, aconselhando os deputados a preocuparem-se mais com os profissionais de saúde e com o investimento no Serviço Nacional de Saúde.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Toxicodependência

Fernanda Câncio, a droga não é "cool"

Henrique Pinto de Mesquita

Venha ao Bairro do Pinheiro Torres no Porto. Apanhamos o 204 e passamos lá uma hora. Verá que as pessoas que consomem em festivais não são bem as mesmas que estão deitadas nas ruas do Pinheiro Torres.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)