Rádio Observador

Cinema

Quatro filmes para ver esta semana

Um documentário sobre Orson Welles, o quarto "Homens de Negro", uma fita italiana sobre os adolescentes da Camorra e a ficção científica "High Life", são as escolhas de Eurico de Barros esta semana.

Em "Os Olhos de Orson Welles", Mark Cousins parte das pinturas e desenhos do realizador para explicar os seus filmes, a sua personalidade e a sua vida

Paris Match via Getty Images

Autor
  • Eurico de Barros

“Os Olhos de Orson Welles”

O documentarista irlandês Mark Cousins (“A História do Cinema: Uma Odisseia”) teve acesso a todo um acervo de pinturas, desenhos, caricaturas e esboços feitos por Orson Welles ao longo da sua vida, para através deles detetar e explicar não apenas as muitas e profundas influências pictóricas e gráficas existentes nos filmes do realizador (no que é bastante convincente), como também a sua vida e personalidade (onde já não é tão feliz e por vezes força demasiado as interpretações e abusa da imaginação). “Os Olhos de Orson Welles” tem a forma de uma carta a Welles, narrada pelo próprio Cousins, cuja voz, tiques verbais e reiterações do discurso acabam por se tornar cansativos, mesmo irritantes. O grande interesse do filme é mesmo o acesso que nos proporciona a uma grande variedade de obras saídas da mão do autor de “O Mundo a Seus Pés”, que vão desde desenhos preparatórios para uma adaptação do “Júlio César” de Shakespeare que nunca saiu do papel, a cartões de Natal para a família ou ainda desenhos e pinturas feitos nas suas viagens e para as mulheres que amou, caso de Rita Hayworth.

“Homens de Negro: Força Internacional”

Will Smith e Tommy Lee Jones abandonaram a série “Homens de Negro” após três filmes, e neste quarto título, realizado por F. Gary Gray, são substituídos por Chris Hemsworth e Tessa Thompson, nos papéis dos agentes H e M, respetivamente, pertencentes à sucursal de Londres dos Homens de Negro. Estes dois novos (e jovens) agentes vão estar envolvidos numa série de ataques alienígenas que os fazem cruzar o globo, e terão, acima de tudo, que descobrir e eliminar a “toupeira” que infiltrou a organização intergalática a que pertencem e a ameaça destruir. No elenco de “Homens de Negro: Força Internacional” aparecem ainda Liam Neeson, Emma Thompson, Rafe Spall e Rebecca Ferguson.  Danny Elfman é, mais uma vez, o autor da banda sonora do filme.

“Piranhas — Os Meninos da Camorra”

Roberto Saviano escreveu o livro sobre os adolescentes de Nápoles que são recrutados como “soldados” pela Camorra, e por ela roubam, matam, traficam e, muitas vezes, morrem nas ruas da cidade, e colaborou no argumento desta adaptação ao cinema realizada por Claudio Giovannesi. Onde o romance de Saviano é mais cru, direto e realista, o filme de Giovannesi “amacia” as personagens, a violência e as situações extremas, para mostrar como os jovens camorristas perdem a inocência e abdicam de uma adolescência normal, e os seus chefes os recrutam, usam e descartam sem escrúpulos nem sentimentalismos. “Piranhas — Os Meninos da Camorra” não traz nada de novo aos filmes de máfia e mafiosos, mas é, mesmo assim, suficientemente impressionante e incómodo. E tal como Saviano, Giovannesi não oferece soluções demagógicas ou piedosas para este flagelo.

“High Life”

Depois do terror em “Trouble Every Day” (2001), a realizadora francesa Claire Denis entra agora pelos territórios da ficção científica em “High Life”, escrito com o seu habitual colaborador Jean-Pol Fargeau e com o inglês Geoff Cox, e acompanhada por dois atores que muitos outros cineastas dariam os dedos de uma mão para dirigir: Robert Pattinson e Juliette Binoche. O filme, minimalista e austero, passa-se numa nave espacial tripulada por um punhado de condenados à morte e por uma cientista também cadastrada, que os submete a experiências  de reprodução artificial, e cujo número será drasticamente reduzido no decurso da jornada. Rodado na Polónia e na Alemanha, “High Life” foi escolhido como filme da semana pelo Observador, e pode ler a crítica aqui.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)