Rádio Observador

Cinema

De Shakespeare ao ocaso de Maria Callas: os melhores filmes de Franco Zeffirelli

615

Eurico de Barros seleccionou os seis melhores filmes do encenador e realizador italiano Franco Zeffirelli, que morreu ontem em Roma, aos 96 anos. De "A Fera Amansada" a "Callas, a Diva"

"A Fera Amansada", com Richard Burton e Elizabeth Taylor (1967) foi um dos grandes êxitos de Franco Zeffirelli

Autor
  • Eurico de Barros

Quando Franco Zeffirelli chegou ao cinema, já trazia muita experiência e bastante prestígio como encenador de teatro e de ópera, tendo sido assistente de Luchino Visconti e dirigido em palco nomes como Ana Magnani, Judi Dench, Maria Callas ou Joan Sutherland. Pelos temas, pela concepção visual, pela linguagem plástica, pelos autores escolhidos para adaptação e pela grande influência da arte clássica, quase todos os seus filmes reflectem essa formação teatral e operática, os dois primeiros grandes amores artísticos do realizador. Zeffirelli, que era remotamente aparentado com Leonardo da Vinci, morreu ontem, aos 96 anos, e deixou por concretizar uma ambiciosa versão cinematográfica do “Inferno”, de Dante, para a qual chegou a fazer desenhos e pinturas preparatórias. Eis os seus melhores filmes.

“A Fera Amansada” (1967) – Franco Zeffirelli tinha já bastante traquejo a encenar peças de William Shakespeare quando decidiu levar à tela esta comédia do autor inglês (foi a sua segunda longa-metragem, após “Camping”, uma comédia com Nino Manfredi, em 1958), beneficiando da sua amizade com Richard Burton e Elizabeth Taylor não só para os ter nos papéis de Petruchio e Katharina, como também para conseguir o apoio financeiro de ambos para o filme, de que foram co-produtores. Burton e Taylor canalizam também para as respectivas personagens o seu carisma turbulento enquanto casal na vida real, ajudando decisivamente a fazer desta “A Fera Amansada” um das adaptações de Shakespeare de referência no cinema.

“Romeu e Julieta” (1968) – Paul McCartney chegou a falar com Franco Zeffirelli para ser o Romeu desta versão da peça de Shakespeare, mas o papel acabou por ir para o desconhecido Leonard Whiting, tal como o de Julieta para a estreante Olivia Hussey. Filmado em grande parte em cenários naturais em Itália, com dois actores principais que tinham quase a idade das suas personagens (o que sucedeu pela primeira vez em cinema), este “Romeu e Julieta” ágil e empolgado, e com o bónus da narração feita por Sir Laurence Olivier, foi popularíssimo junto dos espectadores mais jovens e teve nomeações para os Óscares de Melhor Filme e Realizador (ganhou os de Direcção de Fotografia e Guarda-Roupa).

“Jesus de Nazaré” (1977) – Concebido originalmente como uma série de televisão, esta vida de Cristo teve também uma versão para cinema em duas partes. Muito influenciado pela arte do Renascimento, a favorita de Franco Zeffirelli, “Jesus de Nazaré”, apesar do aparato de produção e do elenco de prestígio, consegue chegar a um meio termo entre as superproduções bíblicas de Hollywood e as versões “pobres” de cineastas de esquerda como Pier Paolo Pasolini. Mais uma vez, o realizador escolheu um actor então menos conhecido, o inglês Robert Powell, para o papel principal, em vez de uma vedeta estabelecida. E a verdade é que, a partir daí, a imagem de Powell no filme passou a ser muito utilizada para figurar Cristo na arte religiosa.

“La Traviata” (1982) – Um dos grandes “opera movies” de sempre, onde Franco Zeffirelli investiu toda a sua criatividade e experiência de encenador deste género musical, com um elenco onde se destacam Teresa Stratas e Placido Domingo como Violetta e Alfredo. Ambos juntam os seus talentos de representação às poderosas vozes. Os valores cinematográficos desta “Traviata” elevam-na muito acima do mero e mecânico registo filmado de uma ópera. A banda sonora do filme, com o maestro James Levine a dirigir a orquestra e o coro da Metropolitan Opera de Nova Iorque, ganhou o Grammy de Melhor Gravação de Ópera.

“Chá com Mussolini’ (1999) – Há duas boas razões por este filme, o penúltimo realizado por Franco Zeffirelli, constar desta lista. A primeira é a sua natureza autobiográfica. Uma boa parte da infância da juventude do realizador em Itália, antes e durante a II Guerra Mundial, é contada em “Chá com Mussolini”, com Charlie Lucas e Baird Wallace a interpretá-lo enquanto criança e adolescente, respectivamente. A segunda, são as soberbas interpretações do quinteto de senhoras formado por Judi Dench, Maggie Smith, Joan Plowright, Lily Tomlin e Cher, as protectoras do jovem Luca/Franco Zeffirelli.

“Callas, a Diva” (2002) – Naquela que foi a sua derradeira longa-metragem, Franco Zeffirelli combina recordações pessoais de Maria Callas (magnificamente personificada por Fanny Ardant) com elementos ficcionais, para homenagear o talento e a integridade artística daquela que foi sua amiga e que dirigiu em palco. A intriga passa-se em Paris, em 1977, o ano da morte da Callas. A voz da cantora já não é o que era, mas o seu antigo agente e amigo de longa data, Larry Kelly (Jeremy Irons), quer convencê-la a entrar numa versão cinematográfica da “Carmen” de Bizet. Para isso, Maria Callas terá que fazer “playback” utilizando uma gravação dos seus dias de glória. A diva recusa, mas sugere fazer um filme da “Tosca”, desde que seja ela a cantar.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cinema

Tu, a mim, não me tratas por tu! /premium

Laurinda Alves
291

“Campeões” é um filme imperdível pelo humor explosivo e pelo amor redentor. Não temos pena de ninguém, não achamos ninguém estranho, não temos rótulos para os personagens, rimos quando nos fazem rir.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)