O Presidente zimbabueano, Emmerson Mnangagwa, manifestou esta quinta-feira o interesse do seu país em ter mais energia de Moçambique, num momento em que Zimbabué reduziu a produção de energia devido a uma seca severa.

“A barragem de Cahora Bassa [em Moçambique] não foi afetada [pela seca] e sentimos que temos de olhar para Cahora Bassa e analisar como é que podemos ter acesso a essa fonte”, disse Emmerson Mnangagwa, mementos após ser recebido em audiência pelo Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, na Presidência da República na capital moçambicana.

De acordo com Emmerson Mnangagwa, os níveis das águas nas barragens daquele país que faz fronteira com Moçambique reduziram em 50% em consequência da seca. “Esta situação não está apenas a afetar o Zimbabué, mas também outros países. É o caso da Zâmbia”, acrescentou o Presidente zimbabueano.

O Zimbabué compra energia à Hidroeléctrica de Cahora Bassa (HCB), mas está na lista de devedores, com uma dívida que, segundo dados oficiais, até 2017 estava estimada em cerca de 10 milhões de dólares (8,8 milhões de euros).

Fonte da Eletricidade de Moçambique (EDM) disse hoje à Lusa que, só no que diz ao pagamento da linha que transporta a energia da HCB ao Zimbabué, este país deve cerca de nove milhões de dólares (7,9 milhões de euros) à EDM.