Rádio Observador

Música

Procurar João Gilberto deu um livro e um filme que chega a Portugal em agosto

Documentário realizado por Georges Gachot, responsável por filmes sobre Maria Bethânia e Nana Caymmi, estreia no dia 3 de agosto e conta com entrevistas de personalidades próximas do cantor.

Filme parte do livro "Ho-ba-la-lá – À Procura de João Gilberto", do jornalista e escritor alemão Marc Fischer

Getty Images

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O documentário “Onde está, João Gilberto?”, sobre o compositor brasileiro da Bossa Nova, que morreu no passado sábado, chega a Portugal no próximo dia 03 de agosto, anunciou nesta quinta-feira a distribuidora Leopardo Filmes.

“Where are you João Gilberto?”, o filme do documentarista franco-suíço Georges Gachot, a estrear em salas portuguesas, parte do livro “Ho-ba-la-lá – À Procura de João Gilberto”, do jornalista e escritor alemão Marc Fischer, “que procurou incessantemente o músico”, anos depois de este ter deixado de aparecer em público, segundo a distribuidora.

O realizador seguiu as pistas de Fischer, “na esperança de conseguir compreender a história, a alma e a essência da Bossa Nova”, prossegue a Leopardo Filmes. O resultado é um documentário, com o livro de 2011 por guia.

Para Georges Gachot, que já dirigira outras obras sobre música brasileira, “o livro apresentava uma nova forma de fazer um filme sobre João Gilberto, distinta de um perfil”. Era “um verdadeiro guião”, disse em maio de 2018, quando da estreia da obra no festival de cinema documental de Munique.

Foi a canção “Ho-ba-la-lá”, a única composta por João Gilberto para o álbum “Chega de Saudade”, de 1959, que deu origem à paixão de Fischer pela obra do compositor brasileiro, recorda a editora Companhia das Letras, que editou o livro no Brasil.

Narrado como uma história policial, reúne entrevistas a figuras da música popular brasileira, próximas de Gilberto, como Roberto Menescal, João Donato e Marcos Valle, a jornalista Claudia Faissol, que viveu com o compositor, e a cantora Miúcha, ex-mulher de Gilberto (e irmã de Chico Buarque), que morreu no passado mês de dezembro.

O filme envolve também figuras do quotidiano do músico, como o cozinheiro de um restaurante do Rio de Janeiro, que preparava os pratos preferidos do “génio da Bossa Nova”, escreve a Companhia das Letras.

Fischer procurava desvendar os mistérios que envolviam a reclusão do compositor, descobrir a essência do ritmo que criou e, ao mesmo tempo, sentir ao vivo esse ritmo, tocado pelo músico. “O sonho de Fischer acabou não vingando, mas a viagem para os trópicos resultaria num livro muito curioso”, que se transformou num sucesso editorial na Alemanha, escreve a editora.

Cada página parece comprovar “a impossibilidade de chegar a João Gilberto”. Mas o relato das cinco semanas passadas por Fischer no Rio de Janeiro fornece um retrato do Brasil, da música e do “homem que vivia recluso há 15 anos, num apartamento no Leblon”.

“O grande, velho [produtor e compositor] Roberto Menescal estava sentado em sua enorme escrivaninha e tocava seu violão quando eu cheguei”, escreve Fischer na obra, citada pela imprensa alemã, em 2011. “Ele vestia um blusão do Exército e, com a sua barba branca, parecia-se demasiado com Ernest Hemingway. Assim como o escritor, Menescal também costumava ir com seus amigos da Bossa Nova pescar no mar. […] João Gilberto, porém, nunca participava nessas viagens. Ele odeia o mar”, escreveu Fischer.

O jornalista alemão morreu em abril de 2011, aos 40 anos, poucos dias antes da edição da obra, na Alemanha.

“Onde está, João Gilberto?”, o filme, foi apresentado no ano passado no Festival de Locarno, em agosto, poucas semanas antes de ser mostrado no Brasil e antes da estreia na Alemanha, em novembro.

Para o realizador Georges Gachot, o filme é uma homenagem a João Gilberto, mas também ao escritor e jornalista alemão Marc Fischer.

Entre os documentários dirigidos por Cachot encontram-se “Maria Bethânia: Música é Perfume” (2005), “Rio Sonata: Nana Caymmi” (2010) e “O Samba” (2014), a par de outras obras, como as dedicadas à pianista Marta Argerich e ao compositor alemão Johann Sebastian Bach.

O cantor e compositor brasileiro João Gilberto, um dos nomes determinantes da Bossa Nova, morreu no sábado passado, no Rio de Janeiro, Brasil, aos 88 anos, informou a família.

Derivado do samba e com influências do jazz, o estilo Bossa Nova surgiu no final da década de 1950, pelas mãos de criadores como João Gilberto, António Carlos Jobim (1927-1994), Baden Powell (1937-2000) e Vinícius de Moraes (1913-1980), Dorival Caymmi (1914-2008) ou Carlos Lyra (1933), interpretado por jovens cantores e compositores do Rio de Janeiro como Bebel Gilberto, Nara Leão ou Marília Medalha.

O álbum que marcou o início da Bossa Nova, “Chega de Saudade” (1959), tinha a maioria das composições assinadas por Tom Jobim e Vinícius. João Gilberto deu voz à versão mais conhecida da música, lançada um pouco antes, em agosto de 1958.

Até 1961, o cantor e compositor protagonizou a trilogia de álbuns que definiram a Bossa Nova: “Chega de Saudade” (1959), “O Amor, o Sorriso e a Flor” (1960) e “João Gilberto” (1961).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)